Apenas 3,3% dos estudantes brasileiros querem ser professores
Parceria reforça ação ambiental na Serra Mantiqueira
Bancada feminina cresce, mas recebe parentes de políticos tradicionais
Meriti terá centro de imagens pioneiro na Baixada Fluminense
Legado de Marielle: assessoras são eleitas para Assembleia do Rio

Com uma campanha de pé no chão e muita sola de sapato gasta, Charles Batista da Silva (PSL) desbancou figurões da política em São João de Meriti e tem grande chance de reforçar a bancada da Baixada Fluminense na Assembleia Legislativa. Com 21.774 votos – votação muito superior as do ex-prefeito Sandro Matos (14.756) e do deputado federal Marcelo Viviani Gonçalves (9.293), Charles também deixou para trás o deputado estadual Iranildo Campos (18.559). Ele ficou como primeiro suplente de seu partido e já há conversação no sentido de que venha ocupar uma cadeira na Alerj se candidato do PSC ao governo do estado, Wilson Witzel vencer a disputa. As conversas giram em torno da escolha de um deputado eleito do PSL para uma secretaria, abrindo vaga para Charles, que é agente da Polícia Rodoviária Federal e cumpre o primeiro mandato de vereador.

Segundo o Tribunal de Contas a Casa só tem oito funcionários efetivos

 

O presidente da Câmara de Vereadores de São João de Meriti, Davi Perini Vermelho, tem 30 dias de prazo para fazer a adequação do quantitativo de cargos comissionados e efetivos, enquadrando o quadro funcional dentro da legalidade. A decisão é do Tribunal de Contas do Estado que, em levantamento, apontou que 95,72% dos funcionários da Casa são comissionados – um total de 179 cargos – e apenas oito são efetivos. O quadro funcional do Poder Legislativo meritiense está nessa situação há anos e piorou entre 2012 e 2014, com a criação de 108 vagas, todas para a área administrativa e que, por lei, deveriam ser ocupadas por servidores concursados...

Rosa Weber disse ainda que "juiz não se deixa abalar"

 

A presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Rosa Weber, rebateu ontem (21) as declarações feitas pelo deputado federal eleito Eduardo Bolsonaro (PSL-SP) de que seriam necessários apenas "um cabo e um soldado" para fechar o Supremo Tribunal Federal (STF). "No Brasil, as instituições estão funcionando normalmente e juiz algum que honra a toga se deixa abalar por qualquer manifestação que eventualmente possa ser compreendida como inadequada", disse Rosa Weber. 

"Para ter certeza que reformas serão aprovadas de forma racional pelo Parlamento"

 

O candidato do PSL à Presidência da República, Jair Bolsonaro (PSL), disse que, se eleito, as propostas de governo só serão encaminhadas ao Congresso Nacional, depois de conversas com senadores e deputados federais. De acordo com ele, pretende apresentar uma série de medidas que devem ser negociadas com os parlamentares. "Não vamos apresentar nada sem conversar com os parlamentares. Para ter certeza que essas reformas serão aprovadas de forma racional pelo Parlamento."

Deputado do PSOL é o 46º na lista dos eleitos

 

O ex-prefeito de Maricá Washington Luiz Cardoso Siqueira, o Quaquá disputou este ano um mandato de deputado federal pelo PT e obteve 74.175 votos, que foram computados em separado por ele ter concorrido com na condição de "indeferido com recurso". É ai que mora o perigo para o deputado Jean Wyllys (PSOL), que está terminando seu segundo mandado. Jean foi declarado reeleito com 24.295 votos, ficando na ultima posição na lista dos dos 46 candidatos eleitos este ano. Como Quaquá  aguarda julgamento e sua defesa aposta que a votação dele será validada pelo Tribunal Superior Eleitoral, Wyllys poderá ser rebaixado à condição de primeiro suplente da coligação PSOL-PC do B.