Orquestra Sinfônica Brasileira vai se apresentar em Paracambi
Empresa aberta 11 dias após a posse do prefeito ganha novo contrato em Japeri e vai faturar mais de R$ 3 milhões fornecendo merenda
Prefeitura de Magé esconde contrato de aluguel de computadores
Preço do petróleo no mercado internacional
Obra emergencial em Nova Iguaçu anda devagar... devagarinho...

O Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro divulgou na tarde desta segunda-feira (21) os candidatos que disputam as eleições suplementares marcadas para o dia 24 de junho nos municípios de Cabo Frio e Rio das Ostras. Entre os candidatos estão os prefeitos eleitos em 2016 e tiveram os diplomas cassados com o novo entendimento do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), sobre a entrada em vigor da Lei da Ficha Limpa. Marcos da Rocha Mendes, o Marquinho Mendes e Carlos Augusto Balthazar (ambos do MDB), que tiveram a inelegibilidade caducada no dia 5 de outubro de 2016, três dias após vencerem nas urnas, registraram suas chapas, repetindo os vices: Ruth Schuindt e José Guimarães Salvador, o Zezinho Salvador.

Vereador que seria dono de fato de empresa apontada como beneficiada em suposto esquema de tráfico de influência, contador e prefeito navegam tranquilamente no mesmo barco do poder 

Há exatos três anos, seis meses e 27 dias, então presidente da Câmara de Vereadores, Eduardo Guedes, o Dudu (foto), prometeu apurar denúncias de tráfico de influência, falsidade ideológica e fraude em licitações feitas em relação a um contrato para o serviço de limpeza urbana firmado na gestão do prefeito Luis Carlos Ypê, com valor inicial de cerca de R$ 1 milhão. Além de descumprir a promessa, hoje prefeito, ele nomeou a pessoa apontada como dona de fato da empresa envolvida para um cargo no primeiro escalão do governo e mantém na titularidade da Secretaria de Fazenda o contador que fez a alteração do contrato social da firma, registrada três meses após ela ter sido contratada pela Prefeitura. A firma é a KM de Resende, que firmou contrato em novembro de 2011, teve a alteração do ramo de atividade feita em janeiro e registrada em fevereiro de 2012. 

Pelo menos 85% de toda a produção do estado é fruto da agricultura familiar. (Foto: Divulgação/Projeto Florescer)

O setor gerou mais de 18 mil empregos e movimentou R$ 160 milhões no ano passado

 

A produção de flores no estado do Rio gerou mais de 18 mil empregos e movimentou R$ 160 milhões em 2017, segundo o Instituto Brasileiro de Floricultura (Ibraflor). Entre os municípios produtores, o destaque é Nova Friburgo, responsável por 60% de toda a produção estadual. As condições climáticas da Região Serrana possibilitam a consolidação do setor, que se fortalece ainda com a modernização de técnicas de cultivo. Nova Friburgo, por exemplo, tem 220 agricultores, que produzem anualmente 16,5 milhões de maços de flores, o que representa cerca de R$ 130 milhões. A geração de renda e empregos reflete o estímulo dos programas Rio Rural e Florescer, ambos da Secretaria de Agricultura. Por meio desses programas, os produtores têm acesso a cursos de capacitação, orientação técnica, financiamento e intercâmbio com outros estados. "Com o financiamento, o agricultor mudou a estrutura de produção, investindo em sistema de irrigação e compra de mudas. Há alguns anos, a produção do Rio era pouco diversificada, somente com palmas e rosas. O produtor hoje acessa novas tecnologias", explicou a coordenadora do Programa Florescer, Nazaré Dias.

Benefício atente inicialmente 200 estudantes

 

O projeto "Passe Livre Universitário", implantado pelo município de Magé, vai beneficiar, inicialmente, 200 moradores da cidade matriculados em faculdades de outros municípios. Eles receberam neste sábado (19) dois tipos diferentes de cartão – RioCard e Bilhete Único – que serão custeados pela Prefeitura. Diferente do "ônibus universitário", o projeto oferece a liberdade do aluno poder utilizar o serviço conforme a sua necessidade, sem precisar mudar a sua rotina de acordo com o horário do transporte, otimizando o seu tempo. A coordenadoria de Juventude é responsável pelo cadastramento e pela entrega dos passes. "O que nós estamos fazendo hoje é garantir ao estudante universitário que ele possa ter mais facilidade para concluir o curso. A princípio são 200 jovens e o nosso objetivo é ampliar, porque é um projeto todo custeado pelo governo municipal", explica o coordenador Anderson Ávila. O passe foi instituído a partir de um projeto de lei apresentado pelo vereador Álvaro Alencar.

Presidente do banco diz que está cheio de dinheiro para emprestar

"Estamos cheios de dinheiro e cheios de vontade de emprestar", disse ontem (18) o presidente do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Dyogo Oliveira, na abertura do seminário Desafios e Oportunidades do BNDES para o Crédito, realizado pela Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em São Paulo. "Nossa economia está em estado grave, mas nós estamos pensando nas ações certas e numa postura de transparência e diálogo", disse Oliveira. "Vamos entrar numa nova era. A era dos juros baixos", completou. Para ele as  empresas vivem hoje um processo de 'desalavancagem'. "Sabemos da necessidade de melhoria das condições de financiamento. Estamos fazendo a digitalização do banco, que vai ser mais ágil e mais flexível. Vamos oferecer mais alternativas".