Siga o ElizeuPires.com

Twitter Facebook

Professores de São João de Meriti não tem dia certo para receber e nas escolas falta até papel higiênico, mas repasses para a Educação no primeiro quadrimestre passaram de R$ 29 milhões

“Trabalho desde 2012 neste município e estou cada dia mais desmotivada. Não temos um dia certo para receber, até a presente data não recebemos nossas férias e o auxilio passagem é de R$ 50. Do Fundeb agente nem sabe o destino. As escolas não têm papel oficio para atividades das crianças, não tem papel higiênico e, às vezes, temos que ajudar para compra do gás senão as crianças não comem o feijão com arroz ou macarrão com feijão. Isso mesmo, sem carne. Não tem desjejum e muitos alunos não receberam uniformes”. O relato foi feito ontem por uma professora da rede municipal de ensino de São João de Meriti, onde muitos dos profissionais aprovados no concurso de 2011 chamados na última convocação estão abrindo mão das vagas, pois não querem atuar no município com, segundo os profissionais da área, “as piores condições de trabalho da Baixada Fluminense”.

Prefeitos querem explicações sobre critérios usados na distribuição dos royalties nos últimos meses

A prefeita de Campos, Rosinha Matheus (PR), saiu na frente e encaminhou uma série de questionamentos à Agência Nacional do Petróleo, responsável pelo rateio da compensação financeira pela exploração do petróleo aos municípios e das participações especiais. Já no próximo dia 2 o clima pode esquentar, pois  Walcyr Barroso, presidente da ANP, irá ao encontro dos prefeitos das cidades que formam a Zona de Produção Principal para explicar como estão sendo feitos os cálculos que definem o pagamento dos royalties e das participações especiais sobre a produção de petróleo, uma vez que mais que preocupados com as perdas, os gestores municipais estão intrigados com os percentuais diferenciados, pois enquanto algumas prefeituras sofrem perdas entre 60% e 80%, em média, outras perdem bem menos, como as de Maricá e Niterói, governadas por prefeitos eleitos pelo PT.

Prefeito em exercício optou por quitar o mês de abril sem envolver a empresa que os contratou

Com intermediação do Ministério Público do Trabalho a Prefeitura de Itaguaí resolveu pagar o salário de abril do pessoal terceirizado da limpeza urbana diretamente aos 466 funcionários da empresa Tristars Controle Ambiental, responsável pela coleta de lixo na cidade. Para isso foi firmado um Termo de Ajuste de Conduta pelo prefeito Wesley Pereira e o MPT, mas não há nada decidido sobre o mês de maio, se este será pago da mesma forma ou quitado pela prestadora de serviços, que paralisou a coleta porque a Prefeitura deixou de pagar as faturas, alegando para isso que a empresa está sendo investigada pela Polícia Federal.

Análise em edital para aquisição de remédios constata itens com preços superiores aos recomendados

Uma licitação para compra de medicamentos para a rede municipal de Saúde de Nova Friburgo, Região Serrana do Rio de Janeiro, no total de custo de mais de R$ 21 milhões, marcada para o próximo dia 1º de junho, foi suspensa por determinação do Tribunal de Contas do Estado (TCE), por majoração de preços em dois itens. De acordo com a analise do TCE no edital, o anticoagulante Enoxaparina de 80 mg solução injetável e o medicamento Roflumilaste (para doenças pulmonares obstrutivas crônicas) de 500 mg estão com preços superiores aos estabelecidos pela Agencia Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa).