Japeri insiste com ônibus irregulares no transporte escolar
Aperibé pode ter nova eleição ainda este ano
Japeri paga caro para ônibus irregular transportar alunos
Intervenção depende de aprovação do Congresso, mas já está em vigor
Prefeitura de Belford Roxo inicia construção de creche em Heliópolis e licita mais seis unidades, as primeiras em 18 anos

“Projeto vai ter de recomeçar do zero”, diz Aluizio

O prefeito de Macaé, Aluizio dos Santos Junior apresentou ontem o resultado de uma auditoria no projeto de implantação do Veículo Leve Sobre Trilho, lançado no ano passado pelo ex-prefeito Riverton Mussi. Segundo Aluizio, “projeto nunca saiu do papel”. De acordo com o prefeito, as composições foram compradas antes que garantias financeiras fossem confirmadas pela Caixa Econômica Federal. Aluizio sustenta que o VLT foi inviabilizado pelo fato de a Prefeitura não ter construído nenhuma das dez estações previstas para o trecho de 23 quilômetros, bem como as centrais de controle e administração do VLT.

Pelo contrato firmado em 2010 para a implantação do VLT, o projeto originalmente contaria com quatro composições que complementariam o transporte público na cidade, facilitando o deslocamento de pessoas no eixo Lagomar - Imboassica, mas o município queimou etapas antes da compra das composições.

Para a implantação do projeto, as obras de adequação do leito, construção de estações de embarque e desembarque e sinalização dos cruzamentos não foram realizadas. "Nós firmamos um convênio com o governo do estado que nos garante repasse de R$ 45 milhões para a construção do Arco Viário de Santa Tereza. Solicitamos que esse convênio seja somado mais R$ 15 milhões em troca das composições. O valor total será destinado ao projeto do Arco Viário e recomeçaríamos o projeto do zero, com a compra de novas composições, uma vez que essas se tornaram obsoletas", afirmou o prefeito. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar