''Trânsito Legal'' não vale para a frota ilegal da Prefeitura de Nova Iguaçu
Governo mente para tentar manter seleção simplificada em Macaé
Vale tudo por 10% em Nova Iguaçu
‘Correção’ no IPTU de Guapimirim vai parar na Justiça
Previdência de Casimiro de Abreu vai receber a perder de vista

“Projeto vai ter de recomeçar do zero”, diz Aluizio

O prefeito de Macaé, Aluizio dos Santos Junior apresentou ontem o resultado de uma auditoria no projeto de implantação do Veículo Leve Sobre Trilho, lançado no ano passado pelo ex-prefeito Riverton Mussi. Segundo Aluizio, “projeto nunca saiu do papel”. De acordo com o prefeito, as composições foram compradas antes que garantias financeiras fossem confirmadas pela Caixa Econômica Federal. Aluizio sustenta que o VLT foi inviabilizado pelo fato de a Prefeitura não ter construído nenhuma das dez estações previstas para o trecho de 23 quilômetros, bem como as centrais de controle e administração do VLT.

Pelo contrato firmado em 2010 para a implantação do VLT, o projeto originalmente contaria com quatro composições que complementariam o transporte público na cidade, facilitando o deslocamento de pessoas no eixo Lagomar - Imboassica, mas o município queimou etapas antes da compra das composições.

Para a implantação do projeto, as obras de adequação do leito, construção de estações de embarque e desembarque e sinalização dos cruzamentos não foram realizadas. "Nós firmamos um convênio com o governo do estado que nos garante repasse de R$ 45 milhões para a construção do Arco Viário de Santa Tereza. Solicitamos que esse convênio seja somado mais R$ 15 milhões em troca das composições. O valor total será destinado ao projeto do Arco Viário e recomeçaríamos o projeto do zero, com a compra de novas composições, uma vez que essas se tornaram obsoletas", afirmou o prefeito. 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar