Imprimir
Categoria: Artigos

Candidatos reclamam que não estão tendo acesso às listas dos convocados

O prefeito de Itaboraí, Helil Cardoso, vai ter de explicar ao Ministério Público todos os procedimentos de convocação e posse de candidatos aprovados no concurso público realizado no ano passado para preencher 391 vagas em vários setores da administração municipal e formar um cadastro de reserva. As explicações se fazem necessárias por conta de convocações não divulgadas adequadamente e pelo fato de as listas dos aprovados não estarem sendo disponibilizadas pela Secretaria de Administração, segundo reclamam os candidatos. De acordo com a Prefeitura, este ano foram chamados 243 classificados - 80 em janeiro e 163 em março - mas as listas de convocação não estão sendo encontrados pelos candidatos e não foram postadas no site oficial do município. Esse processo seletivo ficou à cargo da Fundação Dom Cintra, que ainda mantém em seu site (www.domcintra.org.br) as listagens com o resultado final de classificação em cada categoria, mas os nomes dos convocados é um verdadeiro mistério para muitos.

Durante o fim de semana dezenas de candidatos entraram em contato com o elizeupires.com, reclamando de terem comparecido à sede da Ordem dos Advogados do Brasil em Itaboraí (local indicado pela Prefeitura para os aprovados tomarem ciência da convocação) e perdido tempo, pois, protestam, não tiveram acesso à lista dos nomes convocados e foram informados de que deveriam aguardar em casa por um telegrama. Os candidatos que estão na expectativa de assumirem os cargos para os quais foram aprovados querem mais transparência nesse processo.

Esse concurso foi baseado juridicamente em seis editais e tem prazo de validade fixado em dois anos. Foram oferecidas vagas para guarda municipal músico, agente de administração escolar, agente educacional de creche, instrutor de libras, tradutor intérprete de libras, professor, orientador educacional, supervisor educacional, coordenador pedagógico, psicólogo, técnico de laboratório, técnico de hemotransfusão, técnico de ortese e prótese, biólogo, fisioterapeuta pneumofuncional, odontólogo, terapeuta ocupacional, bombeiro hidráulico, borracheiro, eletricista, lavador/lubrificador, mecânico, motorista, pedreiro, servente, soldador, desenhista, topógrafo, arquiteto, engenheiro, auxiliar de serviços gerais, almoxarife, recepcionista, telefonista, programador, técnico agrícola, técnico de controle interno, técnico de contabilidade, técnico de informática, advogado, analista de sistemas, economista e engenheiro agrônomo, além 30 agentes de endemias e 26 agentes comunitários de saúde.