Queimados diz que maternidade está pronta, que só faltam os equipamentos para inaugurá-la, mas ainda não pagou pelo prédio
Prefeitura de Japeri esconde contratos da merenda: cinco fornecedores foram escolhidos por mais de R$ 17 milhões
Queimados via Volta Redonda: contrato de gestão de hospital na Cidade do Aço teria se transformado em bom ''negócio de família''
Deixando crianças e idosos de fora, prefeito de Resende estaria mergulhando cidade em dívidas para promover governo ''publicitário''
Itaboraí vai receber R$ 60 milhões em investimentos da Petrobras
Empresa escolhida pela Prefeitura de Japeri para fornecer merenda escolar tem a venda de medicamentos como atividade principal

Câmara extingue verbas de representação em cargos de confiança

A Câmara de Vereadores de Porto Real deu um passo importante rumo à moralização dos gastos públicos, ao aprovar, em regime de urgência, o projeto de reforma administrativa e organizacional da Casa, que extingue a verba de representação dos cargos comissionados. O presidente da Câmara, Sérgio Hotz (DEM), explica que a eliminação da verba de representação, que é um benefício dado aos ocupantes de cargos comissionados por livre escolha da presidência, vai trazer uma economia significativa para o Legislativo.  “Ao extinguir a verba de representação, que podem chegar 50% do valor do salário, estamos evitando politicagens e economizando R$ 100 mil por ano”, afirmou Sérgio.

Ainda, de acordo com o presidente, o objetivo da reforma e a extinção da verba é evitar que seja feito qualquer tipo de barganha política em cima desses benefícios. “As porcentagens da verba de representação não podem ser escolhidas de acordo com a afinidade, ou não, que o político tem com o funcionário. Para evitar as politicagens, melhoramos os salários dos cargos em comissão e estamos extinguindo essa verba”, completou.

Hotz  entende que prática como essa - de oferecer o benefício conforme a vontade e gosto político - ferem o princípio da impessoalidade da administração pública. “Entendo que essa prática é inconstitucional, uma vez que fere o princípio da impessoalidade”, conclui Sérgio Hotz.

 

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar