Japeri insiste com ônibus irregulares no transporte escolar
Aperibé pode ter nova eleição ainda este ano
Japeri paga caro para ônibus irregular transportar alunos
Intervenção depende de aprovação do Congresso, mas já está em vigor
Prefeitura de Belford Roxo inicia construção de creche em Heliópolis e licita mais seis unidades, as primeiras em 18 anos
As composições estão à disposição do estado para serem utilizadas entre Magé e Guapimirim

Tribunal de contas declarou como ilegal contrato de R$ 24,8 milhões feito pela Prefeitura em 2010

O que seria solução para os problemas de mobilidade urbana em Macaé, município do Norte do estado do Rio de Janeiro, gerou prejuízos aos cofres da municipalidade, dor de cabeça para o ex-prefeito Riverton Mussi, causou revolta na população e deverá ir parar na Justiça. Segundo o Tribunal de Contas do Estado (TCE-RJ), o contrato no valor de R$ 24.878.450,00 firmado com a empresa Bom Sinal Indústria e Comércio - a única a participar da licitação - para a compra de quatro unidades de VLT (Veículo Leve sobre Trilho), é ilegal, porque o edital de concorrência não teve a divulgação adequada. Quanto aos prejuízos, eles estão no fato de os veículos não estarem sendo usados pela população. Estão parados há mais de dois anos aguardando a definição de um acordo entre os governos municipal e estadual para serem utilizados entre os municípios de Magé e Guapimirim, proposta feita no ano passado.

Por conta da irregularidade o Tribunal de Contas multou o ex-prefeito em R$ 6.779,75 e notificou o prefeito Aluizio dos Santos Junior a explicar porque ainda não encaminhou o resultado de auditoria aberta para apurar a execução do contrato e quantificar eventuais danos aos cofres públicos por ele gerados. O TCE-RJ quer que Aluizio informe ainda quais as providências foram adotadas para a execução do contrato de aquisição dos VLTs, o que já havia sido determinado em setembro do ano passado.

Em outubro de 2013 prefeito apresentou à imprensa o resultado de uma auditoria no projeto de implantação do VLT e afirmou que. na verdade, o “projeto nunca saiu do papel”. Aluizio disse à época que as unidades foram compradas antes que garantias financeiras fossem confirmadas pela Caixa Econômica Federal e afirmou que o VLT foi inviabilizado pelo fato de a Prefeitura não ter construído nenhuma das dez estações previstas para o trecho de 23 quilômetros, bem como as centrais de controle e administração do VLT.

Em agosto de 2014 foi anunciado um acordo com o governo estadual, que se encarregou de investir R$ 60 milhões em obras viárias em Macaé, com o município entregando as unidades do VLT à Secretaria Estadual de Transportes como uma contrapartida estima em R$ 15 milhões. Com isso as quatro unidades, que formam duas composições, passariam a ser usadas no trajeto entre os municípios de Magé e Guapimirim.

Matérias relacionadas:

Prefeito de Macaé tira VLT dos trilhos

Magé e Guapimirim terão VLTs ainda este ano

Composições do VLT já estão liberadas para o ramal de Saracuruna

Comentários  

0 #1 Anônimo 03-05-2015 13:18
Em matéria publicada por EDUARDO OLIVEIRA em 28/07/2014 no Dia online (http://odia.ig.com.br/noticia/rio-de-janeiro/2014-07-28/vlt-de-macae-sera-usado-no-ramal-de-guapimirim.html) o especialista em mobilidade da Uerj, Alexandre Rojas, disse o seguinte, "o custo deve ser muito alto para a perfeita adaptação do VLT de Macaé ao Rio. “O VLT foi criado para circular nos trilhos de lá e não na SuperVia. Para ser viável, deve haver uma grande transformação em tudo. Pode até funcionar, mas vai melhorar o quê? O impacto financeiro será enorme. É uma maluquice”, criticou.

Estão querendo livrar a cara do ex-prefeito de Macaé e de quem participou com ele nessa história trazendo os trens para cá.

CADEIA NELES!!!!!!!
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar