Macaé: redução de preço determinada pelo Tribunal de Contas na licitação da coleta de lixo durou apenas um ano
Depois do centro de Nova Iguaçu, bases do 'Segurança Presente' serão implantadas em Austin e Miguel Couto
Tem feira no point em Magé
Queimados diz que maternidade está pronta, que só faltam os equipamentos para inaugurá-la, mas ainda não pagou pelo prédio
Prefeitura de Japeri esconde contratos da merenda: cinco fornecedores foram escolhidos por mais de R$ 17 milhões
Queimados via Volta Redonda: contrato de gestão de hospital na Cidade do Aço teria se transformado em bom ''negócio de família''

Prefeito de Maricá já responde a vários inquéritos

Já apontado como o prefeito mais investigado e processado da história do município de Maricá, o petista Washington Luiz Cardoso Siqueira, Washington Quaquá, vai ter de explicar agora um contrato firmado sem licitação com a Multiprof - Cooperativa Multiprofissional de Serviços, em 2011, com a finalidade de fornecer mão de obra para a Secretaria de Saúde. De acordo com as denúncias que agora serão investigadas, o contrato de seis meses, no valor de R$ 3 milhões, teria servido para dar emprego a apadrinhados políticos de vereadores da bancada de sustentação do prefeito.

Segundo as denúncias, o contrato coincidiu com um momento de crise entre o prefeito e a Câmara de Vereadores, que em algumas situações chegou a discutir o impeachment de Quaquá, mas isso nunca chegou a ser votado em plenário. Por conta desse contrato o prefeito foi multado em R$ 7.219,80 pelo Tribunal de Contas do Estado (TCE), que constatou irregularidades no processo administrativo, mas o caso agora deverá resultar em mais uma ação de improbidade administrativa contra o prefeito.

A Multiprof atua em vários municípios fluminenses e o escândalo mais recente envolvendo essa cooperativa, foi verificado no ano passado em Silva Jardim, tendo resultado numa operação da Polícia Federal na residência do então prefeito, Marcelo Cabreira Xavier, o Marcelo Zelão (PT) e em casa de alguns vereadores.

Comentários  

0 #1 Hélio Moura 26-06-2013 05:52
Bom dia, Elizeu. Esse Quaquá tem muito mais coisas para explicar. Maricá sofre com esse governo.
Citar
0 #2 Geraldo 26-06-2013 06:01
Acho que esse Quaqua vai ter de vender tudo que tiver para gastar com advogado quando deixar o governo. É muito pepino para um homem só.
Citar
0 #3 Luiz Fontoura 26-06-2013 06:06
Parece que onde um petista passa não nasce mais grama. Esse tal de Quaquá acabou com a nossa cidade, mergulhou nossa Maricá num mar de escândalos tenebrosos.
Citar
0 #4 Flavio 26-06-2013 06:34
O povo reclama mas ele reelegeu esse cara.
Citar
0 #5 Moreno 26-06-2013 09:09
Esse Quaquá, de pato não tem nada. Pato foi quem acreditou em sua propostas e votou nele. Essa justiça lenta de nosso Brasil favorece, e muito, políticos como esse, que terminam cumprindo o mandato, ainda que em meio a todo tipo de irregularidades - leia-se corrupção - . Depois que deixam o governo Inês já é morta.. Deveria ser afastado preventivamente , da mesma forma que pessoas são presas preventivamente para não atrapalhar as investigações sobre seu delito. Ai dava para moralizar um pouco. Mas não: é preciso processo "transitado em julgado" e eles deitam e rolam.
Citar
0 #6 Flor Maria Bento 07-08-2013 16:02
A questão não é o Partido e sim a Pessoa e essa figura chamada de Guaguá nunca deveria ser candidato quanto mais ser reeleito e o pior vocês não sabem está colocando a maquina Pública para eleger sua esposa a tal Zeidam. É só dar um voltinha para o Rio e Grande Rio e vê as revista de super produção que é públicada já para uma pre campanha. Essa corja tem que ser expulsa do PT
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar