Macaé: redução de preço determinada pelo Tribunal de Contas na licitação da coleta de lixo durou apenas um ano
Depois do centro de Nova Iguaçu, bases do 'Segurança Presente' serão implantadas em Austin e Miguel Couto
Tem feira no point em Magé
Queimados diz que maternidade está pronta, que só faltam os equipamentos para inaugurá-la, mas ainda não pagou pelo prédio
Prefeitura de Japeri esconde contratos da merenda: cinco fornecedores foram escolhidos por mais de R$ 17 milhões
Queimados via Volta Redonda: contrato de gestão de hospital na Cidade do Aço teria se transformado em bom ''negócio de família''

Prefeitura torra dinheiro da saúde com instituição desqualificada

O Instituto Nacional de Assistência à Saúde e à Educação (Inase) - que já recebeu mais de R$ 100 milhões para “administrar” o Hospital Municipal Desembargador Leal Júnior, em Itaboraí -, não é uma Organização Não-Governamental (Ong) e muito menos uma Organização Social (OS). A constatação é da Promotoria de Justiça de Defesa do Patrimônio Público, de Natal, no Rio Grande do Norte, que está movendo uma ação civil pública contra o instituto, que foi criado em 2009 no município de Paraíba do Sul, no interior fluminense e tem a Prefeitura de Itaboraí como primeiro cliente, não tendo apresentado nenhum comprovante de qualificação para ser contratado em junho do ano passado pelo prefeito Sergio Soares. O Inase, que teve o contrato mantido e o faturamento dobrado pelo prefeito Helil Cardozo (PMDB), segundo a promotoria, na realidade “é uma empresa de fato, cujos sócios se reúnem às vésperas e modificam o seu ato constitutivo com o fim de viabilizarem interesses mercantis”.

Conforme o elizeupires.com já noticiou, em doze meses a Prefeitura pagou ao Inase exatos R$ 104.17.339,00 (R$ 31.915,339,00 no segundo semestre de 2012 e R$ 72.202 na atual gestão), dinheiro que a população considera ter sido jogado fora, por tão precário ser o atendimento prestado no hospital da cidade. Lideranças comunitárias locais lembram que durante a campanha eleitoral o hoje prefeito prometeu melhorar o setor de Saúde e tirar o Inase da administração do hospital municipal. Em vez disso Helil resolveu manter o contrato com o instituto e o município passou a pagar mais caro pelo que os moradores classificam como um “péssimo serviço”. O Inase, que na gestão do prefeito Sérgio Soares recebia pouco mais de R$ 2,7 milhões por mês, fatura atualmente R$ 5.469.712,79 mensais.

Embora tenha o dever de fiscalizar os atos do Poder Executivo, principalmente a aplicação do dinheiro público, a Câmara de Vereadores vem se omitindo sobre o assunto, não tomando qualquer providência, com os membros do Poder Legislativo preferindo esconder a sujeira debaixo do tapete. A cumplicidade dos vereadores com os desmandos do prefeito Helil Cardozo (PMDB) tem irritado bastante a população, mas esses parecem não dar a mínima importância. “O povo tem memória curta. É só distribuir `cinquentinha´ (R$ 50), dar uma cesta básica ou um botijão de gás que o eleitor vota”, costumam zombar do povo alguns dos membros da tropa de choque do prefeito, que é comandada na Casa pelos vereadores Deoclécio Machado (PT) e Lucas Borges (PMDB).

Se em Itaboraí o Inase conta com a omissão dos vereadores, na cidade de Mossoró, no estado do Rio Grande do Norte, a coisa é bem diferente. Além da ação civil pública movida pelos promotores Paulo Batista Lopes Neto, Afonso de Ligório Bezerra Júnior, Emanuel Dhayan Bezerra de Almeida, Flávio Sérgio de Souza Pontes Filho e Giovanni Rosado Diógenes Paiva, já se fala na formação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Assembleia Legislativa para apurar a contratação do Inase - feita em novembro do ano passado - para administrar o Hospital Estadual Parteira Maria Correia, por R$ 28.592.078,21, além do reconhecimento (considerado irregular pelos promotores) do instituto como Organização Social naquele estado.

“Os efeitos da indevida qualificação do Inase como Organização Social se expressam flagrantemente nas inúmeras incongruências apontadas no relatório de auditoria, bem como expõem a dimensão gravosa conferida ao trato com a coisa pública e, sobretudo, com a saúde dos cidadãos potiguares residentes no oeste do estado”, afirmaram os promotores na ação na qual pedem a desqualificação judicial do Inase como organização social, “em face das ilegalidades demonstradas no processo de qualificação e de contratação”.

 

Matérias relacionadas:

Dinheiro da Saúde jogado fora em Itaboraí

Prefeito de Itaboraí paga mais caro para cumprir acordo de campanha

Prefeito de Itaboraí busca “jeitinho” para licitação suspeita

Prefeito se cala sobre licitação suspeita

Licitação sob suspeita em Itaboraí

 

Documento relacionado:

Ação Civil Pública

Comentários  

0 #1 Maurício 25-11-2013 08:21
Não sabemos qual dos dois é pior, mas acho que o Helil, pelo volume de besteiras em menos de um ano, vai superar o Sergio Soares. Esse contrato com o Inase é extremamente absurdo.
Citar
0 #2 Luiz Herinque 25-11-2013 09:19
Será que esse prefeito pensa que o povo é bobo? Para manter esse contrato e ainda aumentar o valor deve haver um grande interesse, pois o atendimento no hospital é muito ruim para custar tanto.
Citar
0 #3 Décio 25-11-2013 09:25
O que o Ministério Público está esperando para agir?
Citar
0 #4 Maria Luiza 25-11-2013 09:50
Cem milhões. É muito dinheiro para nada. E essa Câmara, não vai fazer nada?
Citar
0 #5 Anônimo 25-11-2013 09:55
Você acha que os nossos nobres vereadores vão ser contra esse contrato? Sabe quando isso vai acontecer? Nunca. A mamata é muito boa.
Citar
0 #6 Francisco 25-11-2013 10:09
E o pior é que essa vergonha acontece nas barbas da Justiça e do Ministério Público. Da Câmara eu já nem admiro, pois nossos vereadores não servem para nada mesmo.
Citar
0 #7 Elaine 25-11-2013 11:07
Depois da casa arrombada não adianta por fechadura nas portas.
Citar
0 #8 Anônimo 25-11-2013 15:18
Isso é coisa de bandido. Que o Ministério Público tome conta disso.
Citar
0 #9 Joana Darck 25-11-2013 16:09
Tem que chamar a Polícia Federal. Verba da Saúde vem do SUS.
Citar
0 #10 Wando 25-11-2013 16:29
Fora Inase, fora Helil, fora vereadores. Vamos para as ruas para salvar Itaboraí, livrar nossa cidade dessa gente.
Citar
0 #11 José Carlos 25-11-2013 17:49
Também estou nessa corrente. Fora cambada!
Citar
0 #12 Ela 25-11-2013 22:35
Elizeu,, que assunto maravilhoso, esse e um papo que conheço bem! Esses dois ladroes, tem muito ainda pra descobrir, você foi demais, estamos muito precisando de você , com sua coragem , de uma olhada nos contratos dos serviços das empresas contratadas ,
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar