Usuários reclamam que além dos veículos com bancos e parachoques soltos, tem os pneus que estão sempre dando susto e deixando os passageiros a pé (Foto:PMR/Luiz Ferrão)

Agentes da Superintendência Municipal de Transportes Públicos não vêem, por exemplo, os pneus velhos das sucatas ambulantes da empresa São Miguel

Na última quinta-feira (25), fiscais da Superintendência Municipal de Transportes Públicos foram até a garagem da empresa de ônibus São Miguel - que há 17 anos detém o monopólio das linhas municipais de Resende - conferir se a companhia tinha cumprido as exigências feitas em notificações lavradas 12 dias antes, quando foi alertada sobre falhas no funcionamento de plataformas de acesso a cadeirantes, bancos e parachoques soltos, além da má conservação da lataria. Os fiscais constataram que só uma exigência, a das plataformas, tinha sido cumprida e então decidiram ampliar o prazo, dando mais cinco dias para a concessionária atender as recomendações. Entretanto, para os usuários, a fiscalização do poder concedente e nada são as mesmas coisas, pois a empresa finge que atende, administração municipal deixa a coisa correr solta e o resultado é visto nas ruas: ônibus caindo aos pedaços, com pneus velhos estourando e dando susto nos passageiros, a ponto de provocar acidentes.

  ⁠⁠⁠Enquanto alguns moradores da Boca do Rego  alegam que a reforma da ponte seria uma forma de favorecimento a um parente do prefeito, ele resolveu “tirar” o distrito de Rio Preto do mapa de Resende para justificar a falta de atendimento de saúde aos moradores daquela localidade

Ponte que dá acesso à fazenda de um parente do prefeito é reformada

A reforma de uma ponte na estrada do Bonsucesso, na localidade conhecida como “Boca do Rego”, na zona rural de Resende, acabou se transformando em mais uma polêmica para o prefeito Diogo Balieiro Diniz. É que segundo alguns vizinhos, a ponte serve de acesso a uma fazenda que tem como um dos proprietários um parente próximo do chefe do Executivo, uma benesse que justificaria a melhoria. O anúncio oficial da Prefeitura não informa se a Secretaria de Agricultura e Pecuária possui em seu organograma uma equipe destinada a reformas ou se os trabalhos teriam contado com a ajuda de algum “parceiro” do governo.

Transferências feitas entre 23 de janeiro e 20 de abril somaram  mais de R$ 7,4 milhões

Em resposta a fontes da Prefeitura que disseram que o elizeupires.com errou ao informar – na matéria “Caixa-preta da Codeni esconde gastos em Nova Iguaçu”, veiculada sábado (dia 22 – que os repasses para a Companhia de Desenvolvimento de Nova Iguaçu feitos pela atual gestão somaram mais de R$ 6,6 milhões, alegando que as transferências foram menores, pedimos desculpas aos nossos leitores para reconhecer que erramos sim. Os créditos na conta da Codeni foram bem maiores: ultrapassaram a soma R$ 7,4 milhões. Os repasses de janeiro foram de R$ 1.898.472,73 e não no valor de R$ 1.112.523,71 como tínhamos informado. Já as transferências de fevereiro chegaram ao total de R$ 1.520.190,10, as de março somaram R$ 2.650.632,24, enquanto os créditos de abril (repasses feitos até o dia 20), somaram R$ 1.359.544,19. O que a gestão do prefeito Rogério Lisboa precisa fazer é explicar porque esse volume tão grande de recursos para uma autarquia cuja utilidade nem o próprio governo sabe explicar de forma convincente.

Prefeitura tranca seus números em caixa-preta e a população não tem acesso a informações sobre receita e despesas, dados que pela Lei da Transparência precisam estar às claras

O prefeito Jocelito Pereira de Oliveira, o Zelito Tringuelê (foto) está completando nesta terça-feira (25) 115 dias de mandato e ninguém sabe onde e em que ele está aplicando os recursos do município. Não há informações sobre os gastos com pessoal e manutenção dos serviços essenciais, pois o sistema da Prefeitura de Guapimirim não disponibiliza as contas públicas como determina a lei. As edições do boletim informativo também sumiram. No site oficial só aparecem duas e com o mesmo número: 169, datadas de 2 e 6 de janeiro. Não se vê avisos de licitação, resultados dos pregões, nomes das empresas fornecedoras e sobre quanto a administração municipal esta gastando, por exemplo, com merenda escolar, alimentação no hospital, medicamentos e materiais de consumo. Perguntar ao governo soa como ofensa. Ninguém fala nada. 

O descarte de lixo que Dr. João dizia ser irregular continua sendo feito no mesmo lugar, no bairro Venda Velha. O lixão ganhou cerca e uma entrada com vigilância, mas ainda assim é um lixão

Prefeito de São João de Meriti ignora o próprio discurso e mantém o mesmo esquema de coleta e descarte de lixo. O que para ele era irregular agora parece maravilhoso aos olhos dele

Em agosto de 2016 – no fervor da campanha eleitoral – o então deputado federal João Ferreira Neto, o Dr. João (PR), fez um inflamado discurso na tribuna da Câmara para denunciar supostas irregularidades no contrato e na prestação dos serviços de coleta e descarte de lixo em São João de Meriti, cidade da qual hoje, pelo menos no papel, ele é o governante. Os alvos eram o prefeito Sandro Matos e as empresas Meriti Mais Verde e Verde Gestão, que, de acordo com registros da receita federal pertencem ao mesmo dono, Marcelo Nascimento Andrade, sendo basicamente uma só. Ferreira falava até em crime ambiental, denunciando a existência de um lixão no bairro Venda Velha, segundo ele, “um ponto de descarte adotado pela Prefeitura sem nenhum critério técnico-sanitário”. Passados quase oito meses desde a falação  de Ferreira os serviços continuam ruins e o tal lixão, embora disfarçado, está no mesmo lugar. A única coisa que mudou foi o tratamento dado a empresa contratada: o grupo Verde Ambiental já não é criticado pelo prefeito nem tem mais dificuldades em receber as faturas, pois seus processos não demoram no gabinete nem dormem nas gavetas da Secretaria de Governo.