A Rodando Certo, empresa contratada por Nova Iguaçu enfrenta a revolta de moradores em Itaperuna e o prefeito Marcos Vinícius de Oliveira Pinto já afirmou que ela “está com os dias contados" por lá

Empresa foi contratada sem licitação para explorar o serviço, ficando com 10% do que arrecadar

Quinze dias após o elizeupires.com informar que o serviço de reboque de veículos poderia ser a próxima “emergência” alegada pelo prefeito Rogério Lisboa (foto) para fazer contratos sem licitação - manobra que já comprometeu R$ 52 milhões -, o fato noticiado se confirma. Foi publicado na edição desta sexta-feira do diário oficial de Nova Iguaçu a dispensa de licitação para contratar uma empresa sediada em Miracema, no Noroeste Fluminense, para fazer o serviço e explorar o depósito de veículos.  De acordo com o ato assinado pelo secretário de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana, Herval Barros de Souza, a Rodando Certo Serviços de Estacionamento e Reboque de Veículos vai operar inicialmente por 180 dias e ficar com 10% do que for arrecadado com a remoção e guarda dos carros.

Também é dia de tirar documentos e buscar direitos via Justiça

Está marcado para o próximo sábado, no Ginásio Poliesportivo Edson Alves, em Mauá, um grande evento de ação social dentro das comemorações do Mês da Mulher. Haverá casamento comunitário, com dezenas de casais confirmando a união civil e será uma grande oportunidade para quem ainda não tirou a carteira de trabalho e o documento de identidade. Das 9h as 15h equipes da Defensoria Pública do estado, Ministério do Trabalho e do Detran estarão atuando no mutirão organizado pela Secretaria de Assistência Social e Direitos Humanos realiza. As poderão participar de oficinas de artesanato, receberão tratamentos de beleza e informações sobre a saúde.

Parceria com iniciativa privada ajudou na reforma de dois pólos do projeto

Após um período de capacitação, os orientadores sociais, auxiliares de creches e membros da equipe técnica contratados a partir de um processo seletivo para atuarem no projeto, as unidades da Casa da Criança voltam a funcionar amanhã (20), assim como o Centro Integrado de Convivencia, assegurando a continuidade dos programas de assistência mantidos pela Prefeitura de Rio das Ostras através da Secretaria de Bem-Estar Social. Os pólos do projeto localizados nos bairros Cidade Praiana e Liberdade passaram por reformas, obras que foram custeadas por empresas privadas. Essas unidades receberam pintura, troca de pisos, reparos elétricos, hidráulicos e ganharam novo mobiliário.

Nas imediações do Campus da Universidade Estácio de Sá vias públicas viraram estacionamento para os alunos

Agentes ignoram estacionamento irregular nos arredores de igrejas, faculdades e fazem vista grossa para bandalhas de ônibus e vans do transporte alternativo

Iniciada no último dia 7, a Operação Trânsito Legal, da Secretaria de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana de Nova Iguaçu, não vale para as empresas de ônibus, vans do transporte complementar, veículos dos frenquentadores de igrejas evangélicas e dos alunos das universidades Unig e Estácio de Sá, que fazem o que bem entendem e não são multados pelos agentes de trânsito da Prefeitura, tão rigorosos, por exemplo, com as mães que param por um momento para deixarem os filhos nas escolas. À noite as imediações dos templos existentes nas avenidas Roberto Silveira e Getúlio Moura ficam tomadas de carros de fieis, alguns estacionados até em entradas de garagem. O mesmo acontece nas ruas Alexandre Rodrigues e Lima Barreto, vias que foram transformadas em estacionamento - pelos dois lados - por alunos do Campus da Estácio de Sá, dificultando até o acesso de ambulâncias, como aconteceu recentemente, quando um idoso residente na Rua Alexandre Rodrigues passou mal e o socorro foi dificultado pelo excesso de carros na via.

 O Hospital Santo Antonio da Estiva é uma instituição filantrópica e tem enfrentado muitas dificuldades nos últimos anos

O governo municipal admite não ter condições de manter sozinho a unidade, mas mesmo assim quer “comprar” por R$ 1,1 milhão um prédio que valeria quase 30 vezes mais

O Hospital Santo Antonio da Estiva, instituição filantrópica administrada pela Fundação Miguel Pereira pode mudar de dono e tudo indica que não será para melhor. É que mesmo reconhecendo não ter recurso para manter sozinho o HSAS, a administração municipal quer desapropriar o prédio principal e pagar por ele apenas R$ 1,1 milhão, embora o valor de mercado esteja estimado R$ 30 milhões. O decreto de desapropriação deverá ser emitido pelo prefeito André Pinto, o André Portugues (PR) nos próximos dias, já que a Câmara de Vereadores aprovou um crédito adicional do orçamento do município no total que o município pretende desembolsar para “comprar” o imóvel.