A nomeação do empresário do setor de transporte de passageiros Zenildo Coelho Barroso para o comando da Secretaria Municipal de Transporte, Trânsito e Mobilidade Urbana deixa os profissionais do transporte suplementar bastante preocupados. Para alguns deles, colocar alguém ligado às empresas de ônibus para essa Pasta seria o mesmo que escolher uma raposa para vigiar um galinheiro. Entretanto, há quem elogie a escolha do prefeito Rogério Lisboa, que assinou a Portaria 298/2018 nomeando o ex-dono da empresa Salutram na terça-feira, ato que foi publicado na edição de hoje (7) do diário oficial.

Desde 2015 que o pessoal do transporte alternativo vem esperando pela legalização do serviço, o que lhes asseguraria 25 anos de concessão, mas um processo de licitação aberto na gestão do prefeito Nelson Bornier foi engavetado no ano passado pelo até anteontem secretário de Transportes, Herval Barros de Souza, depois de ser devolvido pelo Tribunal de Contas do Estado, que vez algumas ressalvas e solicitou que fossem feitas adequações. Em vez de cumprir as exigências feitas pelo TCE a gestão do prefeito Rogério Lisboa optou por adiar a licitação "sine die" e engavetar o processo de concorrência pública. Desde que o processo foi parar numa das muitas gavetas do governo que os profissionais do transporte alternativo de passageiros pergunta entre sim: "A quem interessa a ilegalidade?"

O processo para regularizar o transporte público alternativo de passageiros começou a tramitar em setembro de 2016, quando foi emitido o edital para uma licitação que vinha sendo cobrada pelo Ministério Público. De acordo com o edital, a Prefeitura de Nova Iguaçu licitaria um total de 34 linhas exploradas por donos de kombis e vans, regularizando as permissões para os 320 veículos que já prestam esse serviço e abrindo mais 81 vagas.  Se não tivesse caído em exigência junto ao Tribunal de Contas o processo teria sido concluído em dezembro de 2016.

Se quiser demonstrar interesse em defender a bandeira da regularização das kombis e vans o sucessor de Herval Barros poderia começar sua gestão desengavetando o processo, cumprindo as exigências marcando uma data para a licitação.

A regularização do transporte de passageiros em Nova Iguaçu foi cobrada da Prefeitura em 2015 pelo Ministério Público e primeiro a gestão do prefeito Nelson Bornier licitou as 83 linhas de ônibus e depois preparou um processo de licitação da 34 itinerários alternativos. O edital publicado em setembro previa a elaboração de estudo de viabilidade das linhas em relação à quantidade de veículos.

 

Matéria relacionada:

Nova Iguaçu engaveta licitação do transporte alternativo

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar