Serão sete unidades de ensino básico e 15 creches

O prefeito de Belford Roxo, Wagner dos Santos Carneiro, Waguinho, anunciou grandes investimentos no setor de educação em 2018, com o aumento da rede municipal de ensino em sete escolas e 15 creches. Segundo o prefeito, grandes desafios foram enfrentados este ano em todos os setores da administração municipal. Ele cita, por exemplo, as escolas sucateadas, sem condições de funcionamento e quadras esportivas destruídas, além das muitas reclamações sobre a qualidade da merenda servida na gestão do ex-prefeito Dennis Dauttmam. "Vencemos todos eles", diz.

Os lacres das bombas de combustíveis do Posto Fragoso, da rede Renaza, controlada pela família Cozzolino, que havia sido interditado na tarde ontem (29) pela Prefeitura de Magé, foram rompidos pelo deputado estadual Renato Cozzolino Harb, por volta da meia noite. Foi o que afirmou em depoimento na 66ª Delegacia Policial (Piabetá), o gerente do estabelecimento. Segundo Anderson da Cruz Gomes, que gerencia o posto há dez anos, após a retirada dos lacres o deputado ordenou o funcionamento normal. Acionada, a fiscalização retornou ao local por volta das 8h deste sábado, lacrou as bombas novamente e operários da Prefeitura bloquearam a entrada com manilhas para evitar o funcionamento.

 Segundo um funcionário, o posto foi reaberto por ordem do deputado Renato Cozzolino Harbe

Reação contra choque de ordem vira caso de polícia em Magé

Interditado na tarde de ontem (29) pela fiscalização da Prefeitura por encontrar-se – segundo o poder fiscalizador –  em situação irregular, o Posto Fragoso, da rede Renaza, controlada pela família Cozzolino, foi reaberto à noite e as bombas deslacradas, sem ordem da administração municipal, que havia cassado o alvará e determinado a interdição. Na manhã deste sábado procuradores do município estiveram no local com apoio policial e as bombas foram lacradas mais uma vez. Um cliente que abasteceu seu carro a 00:38:56 registrou o serviço e agora a pouco foi divulgado um áudio, que seria o da conversa com um funcionário. A gravação um homem conta que o posto foi reaberto por ordem do deputado Renato Cozzolino Harb. "Estava tudo lacrado e o deputado mandou abrir novamente. O posto é dele, né. Ele está correndo atrás. Está indo até a um desembargador no Rio", revela a gravação.

O final deste ano está sendo bem diferente do verificado em 2016

Mesmo com dinheiro em caixa, graças aos repasses do Fundeb, o ex-prefeito Dennis Dauttmam deixou os servidores da rede municipal de ensino na mão no final do ano passado, deixando de pagar os meses de novembro, dezembro e o décimo terceiro, realidade bem diferente da do dia de hoje: os 5.503 funcionários da Educação já receberam o vencimento de dezembro, pagamento efetuado dias após a quitação do abono de Natal, assim como as férias dos professores. Os demais servidores, segundo a Secretaria de Administração, vão receber o último salário desde ano dentro do prazo legal, até o quinto dia útil de janeiro. Segundo o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, Waguinho, o governo não está medindo esforços para manter os salários regularizados.

Prefeitura vai apurar alvará com "validade indeterminada"

A Secretaria de Fazenda de Magé confirmou agora a pouco o fechamento de mais um posto de gasolina controlado pela família Cozzolino e que, segundo a Prefeitura, estava em situação irregular. No início da tarde havia sido interditado o Posto Renasa, localizado em Fragoso, em uma área residencial. O posto, que pertenceria ao deputado Renato Cozzolino Harb, tinha um alvará com validade indeterminada, documento que foi cassado pela Secretaria de Fazenda, que agora vai instalar uma comissão de inquérito administrativo para apurar como o alvará foi expedido, já que não haveria licenciamento que o sustentasse e não há alvará sem prazo de validade fixado. O posto fechado agora a pouco é de bandeira Shell, está localizado na Estrada Magé-Manilha e seria de propriedade da ex-secretária de Fazenda do município, Núcia Cozzolino. Ela é irmã de Núbia, que esteve na 66ª Delegacia Policial (Piabetá) para queixar-se do que entende tratar-se de um abuso por parte do governo que, por sua vez, pretende checar se houve algum tipo de fraude nas concessões de alvarás de funcionamento para postos de propriedade da família dela.