... mas prefeito insiste em fazer marketing pessoal com reformas de unidades de saúde, realizadas com o dinheiro do povo

 

A realidade do atendimento médico na rede pública de Resende, ao que parece, ainda está muito distante das fotos pomposas postadas pelo prefeito Diogo Balieiro Diniz, que insiste em fazer marketing pessoal para exibir reformas nas unidades de saúde, muitas das quais já teriam sido realizadas recentemente. Para aqueles que dependem do atendimento público de saúde, no entanto, a história é outra: faltam médicos e até pilhas para otoscópio, aparelho utilizado para exames de ouvido, segundo relatos de pacientes que utilizam quase que diariamente as redes sociais para denunciar as supostas ocorrências e tentar chamar a atenção do prefeito, apesar de que o governante parece ficar míope quando as postagens não são de seu agrado.

Embora tenha desde 2014 uma empresa contratada para fazer a "operacionalização e manutenção preventiva e corretiva com troca de peças" de sua frota de máquinas e caminhões, a Prefeitura de Queimados está deixando alguns equipamentos se deteriorem. O contrato em vigor foi firmado no dia 30 de agosto de 2018 com uma empresa sediada em Nova Iguaçu. Tem validade de um ano e o valor global é de R$ 3.768.315,04. Este é o segundo termo de prestação de serviços com a mesma firma. O anterior, datado de 13 de junho de 2014, era de R$ 3.804.672,96, foi homologado pelo ex-prefeito Max Lemos e desde então vinha sendo renovado através de termos aditivos. No ano passado foi feita uma nova licitação, da qual a mesma foi declarada vencedora.

A unidade foi reaberta em 2018

 

Reativado há exatamente um ano, depois de um longo período desativado, o Hospital Municipal de Belford Roxo, de acordo com levantamento revelado pela Prefeitura, já atendeu 130 mil pessoas nesta nova fase, com procedimentos nas especialidades de ortopedia, pediatria e clínica geral. De acordo com a administração municipal, do universo populacional atendido nos últimos 12 meses 9.300 pessoas são residentes em municípios vizinhos. O HMBR tem capacidade para atender 600 pacientes por dia. Os números de atendimento foram divulgados ontem (3), dia em que o ex-distrito de Nova Iguaçu completou 29 anos de emancipação político-administrativa.

Corte de Contas determina alteração no edital de licitação das linhas municipais

 

Se quiser concluir o processo licitatório para a exploração do serviço de transporte de passageiros em seu município, o prefeito de Mendes, Rogério Riente (foto), vai ter que fazer 18 alterações do edital da concorrência, inclusive reduzir o preço da tarifa. A determinação é do Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ). A conselheira substituta Andrea Siqueira Martins, relatora do processo, entre outras coisas, estipulou a tarifa em R$ 2,75, vetando os R$ 3,16 fixados no edital. A concorrência – com valor da exploração do serviço público de transporte coletivo estimado em R$ 21.873.772,80 – foi suspensa.

Um homem ainda não identificado caiu da parte antiga do Viaduto da Rua Barros Junior, que liga o centro de Nova Iguaçu ao bairro Rancho Novo. A vítima, que foi levada para o Hospital da Posse, caiu numa das pistas da Rodovia Presidente Dutra. Embora a queda tivesse ocorrido na travessia velha, a estrutura de proteção é nova e foi instalada junto com da parte nova, inaugurada na última sexta-feira (29). A Prefeitura ainda não se pronunciou sobre o acidente e não há informações sobre o estado da vítima.