Dispositivos já estão sendo usados pelos agentes

Os agentes da Guarda Civil Municipal de Nilópolis, na Baixada Fluminense, passaram a utilizar o dispositivo incapacitante elétrico, do modelo Spark, e o spray de gás de pimenta, classificados como Instrumento de Menor Potencial Ofensivo (IMPO), equipamentos adotados normalmente pelas guardas civis de cidades com alta densidade demográfica. Os dispositivos são fabricados por uma empresa de tecnologias não letais sediada em Nova Iguaçu, a Condor, que também oferece treinamento. Para capacitar os guardas no emprego do armamento a Secretaria Municipal de Segurança promoveu dois cursos, que foram ministrados pelo chefe da área do setor de treinamento da empresa, Ricardo Soares e o instrutor da Academia da Guarda Municipal do Rio, Fábio André do Nascimento.

A empresa teria começado a atuar na Maternidade Mariana Bulhões antes mesmo da homologação dos contratos

Empresa sediada em Silva Jardim teria começado a prestar serviços antes mesmo da homologação

Pelo menos dois dos vários contratos emergenciais feitos pela Prefeitura e Nova Iguaçu deverão ser objetos de representação junto ao Ministério Público com pedido de investigação. São os de números 011 e 012, com valor total de R$ 6,7 milhões, firmados pela Secretaria Municipal de Saúde com a Onix Serviços, que teria entrado em operação na Maternidade Mariana Bulhões e no Hospital Geral de Nova Iguaçu, o Hospital da Posse, antes mesmo da homologação. Os extratos dos contratos foram publicados no último sábado (16), com data retroativa a 17 de agosto e o primeiro pagamento está previsto para os próximos dias. A empresa, que é controlada por Alessandro Carvalho Miranda, genro do ex-prefeito de Silva Jardim Antonio Carlos Lacerda, foi contratada logo após a chegada de um grupo de Rio Bonito à Nova Iguaçu, o mesmo que teve uma passagem pela Cidade do Mico Leão Dourado.

Controle de vereadores sobre postos médicos gera insatisfação

"O posto de saúde do bairro tal 'pertence' ao vereador fulano". Isto é o que mais se tem ouvido no município de Magé nos últimos dias, principalmente depois de uma série de demissões de funcionários contratados temporariamente, sob alegação de queda na receita. O problema é que o prefeito que vem contando centavos para pagar as contas e fazendo das tripas coração para manter os serviços básicos funcionando é o mesmo que tem permitido o loteamento de unidades de saúde para vereadores que, segundo alguns servidores, é quem estariam mandando, indicando diretores e funcionários, o que acaba gerando instabilidade, pois na hora de cortar os gastos quem não tem padrinho acaba morrendo pagão.

Os interessados serão atendidos entre os dias 19 e 29 deste mês

Mesquita, o município mais jovem da Baixada Fluminense está completando 18 anos de autonomia político administrativa este mês e entre as muitas atividades programadas para marcar as comemorações, uma vai beneficiar  diretamente os moradores que estiverem com débitos acumulados junto a instituições financeiras. É o “Saia do Vermelho”, uma campanha de negociação de dívidas, através de um mutirão que vai do dia 19 a 29 de setembro, uma iniciativa da Secretaria Municipal de Governo em parceria com a Federação Brasileira de Bancos (Febraban). Quem quiser participar deve comparecer na sede do Procon (Estrada Feliciano Sodré, nº 2177, no Centro), no período da campanha, de segunda a sexta, das 9h às 17h, portando original e cópia da identidade, CPF e comprovante de residência.

Folha de pagamento já começou a ser enviada hoje ao banco

A assessoria de imprensa da Prefeitura de Belford Roxo informou agora a pouco ao elizeupires.com que a administração municipal começa a pagar o salário de agosto nesta sexta-feira, dia 15. Já na parte da manhã, revelou, algumas secretarias já deverão ter sido pagas, pois a folha de pagamento começou a ser enviada ao banco o início da tarde de hoje (14), podendo o pagamento ser concluído até o final do dia. Os servidores efetivos vem reclamando de atraso no salário que, entendem, deveria ter sido quitado em 8 de setembro, quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado. Os funcionários cobram a divulgação de um calendário para poderem melhor se organizar. De acordo com o governo, devido à oscilação na receita, não tem sido possível estabelecer uma data certa até agora, mas a situação começará ser normalizada a partir desde mês.