Ano letivo deve começar atrasado e com contratados em salas de aula

O prefeito de Duque de Caxias diz que vai pagar, mas não sabe quando. Na última segunda-feira Washington Reis (foto) se reuniu com representantes dos servidores e afirmou que os salários em atraso serão pagos e que os meses vencidos em sua gestão quitados em dia, mas ainda não acenou com um plano para normalizar a situação e sequer demonstrou interesse em divulgar um cronograma. Sem uma definição por parte do governo, os profissionais de ensino não estão dispostos a entrar em sala de aula sem pelo menos um calendário de pagamento. Mas os problemas da Educação no município da Baixada Fluminense que mais recursos recebe para o setor vão além disso: há um déficit de professores e funcionários de apoio, mas embora exista um concurso em vigor, a nova gestão não quer nem ouvir falar em convocação.

Acumulado do mês chega a R$ 84 milhões

Segundo registros do Demonstrativo de Distribuição de Recursos do Banco do Brasil, o Fundo de Manutenção e Desenvolvimento da Educação Básica e de Valorização dos Profissionais da Educação repassou nesta terça-feira (24) R$ 17,4 milhões aos 13 municípios que formam a Baixada Fluminense, com o acumulado do mês chegando a R$ 84 milhões. No caso de Belford Roxo, considerando o saldo do exercício fiscal de 2016 que a nova gestão vem mantendo em segredo e a soma do que a Prefeitura já recebeu este mês do Fundeb, há recurso suficiente para pagar o salário de janeiro e pelo menos um mês em atraso para os professores, que conseguiram junto ao Tribunal de Justiça uma liminar obrigando o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (foto), a pagar todo o atrasado em 24 horas, medida que advogados ouvidos durante o dia de hoje pelo elizeupires.com confirmam que poderá ser derrubada com facilidade, pois nenhuma cidade da região teria dinheiro em caixa para pagar de uma só vez os meses em atraso, mais o décimo terceiro. O repasse de hoje para Belford Roxo foi de R$ 1.784.537,60 e o total do mês é de pouco mais de R$ 10,1 milhões.

Funcionários dizem que são obrigados a longo deslocamento para almoçar

Acostumados a só atravessarem a rua para almoçar ou fazerem um lanche, funcionários da Prefeitura de Japeri, na Baixada Fluminense, afirmam que se não levarem comida de casa são obrigados agora a se deslocar por pelo menos três quilômetros para se alimentarem. Segundo alguns deles, uma proibição velada os impede de frenquentar o restaurante localizado em frente a sede da Prefeitura, pelo fato de o estabelecimento pertencer ao ex-prefeito Ivaldo Barbosa dos Santos, o Timor, considerado não como adversário político do novo governo, mas como inimigo. Ao se queixarem da tal proibição, servidores afirmam que entendem que os ocupantes de cargos comissionados - secretários e assessores - até podem evitar o restaurante do ex-governante, mas a medida não pode ser imposta aos efetivos.

Prefeita desautoriza reajuste de tarifa, mas empresa de ônibus ignora a medida

Usuários das linhas municipais de ônibus de Araruama, cidade da Região dos Lagos fluminense, reclamam que a tarifa que está sendo cobrada pela empresa Montes Brancos é a autorizada pelo ex-prefeito Miguel Jeovani, que no dia 30 de dezembro emitiu decreto estipulando o valor de R$ 4,10 para passagem. As reclamações se devem ao fato de a prefeita Lívia Soares Bello da Silva, a Lívia de Chiquinho (PDT), ter divulgado a revogação do decreto de Miguel, que determinou a entrada em vigor da nova tarifa no dia 1 de janeiro. Entretanto, o ato de revogação ainda não foi disponibilizado pelo governo em seu site oficial, embora a página da Prefeitura na internet tivesse sido usada pela prefeita para divulgar que o aumento da passagem não mais ocorreria.

Prefeito diz que meta é fazer a “melhor administração possível”

Faltando confirmar apenas o nome que irá substituir Antonio Morgado na Secretaria de Saúde, a semana se inicia com uma nova composição na administração municipal de Magé. Os titulares já foram nomeados e começam a atuar nesta segunda-feira (16). Para comandar a Secretaria de Obras, por exemplo, o prefeito Rafael Santos de Souza, o Rafael Tubarão (foto), escolheu o vice-prefeito Vandro Lopes Gonçalves. A pasta da Saúde passaria ser comandada pelo atual secretário de Governo, Miguelangelo Peligrino, mas ele optou por permanecer no mesmo cargo, podendo passar a titularidade a atual subsecretária de Morgado, Stella Mary Vidal. “Nossa meta é transformar Magé, fazendo desta a melhor administração possível e a prioridade é o povo do nosso município”, disse o prefeito.