A coisa está feia na cidade, mas o governo quer que tudo pareça bem aos olhos de quem não conhece a realidade

Guapimirim obriga servidores a comparecerem a evento, mas não tem pressa em pagar os salários nem garantir remédios nas unidades de saúde e merenda suficiente nas escolas

No próximo sábado milhões de pares de olhos estarão voltados para a passagem da tocha olímpica pelo município de Guapimirim - uma pequena cidade do estado do Rio de Janeiro - e os da fiscalização da Justiça Eleitoral também, estes focando nos “papagaios de pirata”, como estão sendo chamados os candidatos a cargos eletivos nas eleições deste ano que tem comparecido a eventos e chamando de suas as realizações custeadas com o dinheiro do povo, principalmente no setor de Educação, onde a máquina pública, de acordo com denúncias feitas por professores e funcionários de apoio, estaria sendo usada para fins eleitorais.

 Aluizio dos Santos Júnior teve até hoje mais de R$ 7,7 bilhões para administrar e ainda quer empréstimo de R$ 200 milhões

Até ontem a Prefeitura já havia arrecadado mais de R$ 1 bilhão

Com mais de um milhão de habitantes o município de São Gonçalo, na Região Metropolitana do Rio de Janeiro, tem, para o exercício deste ano, um orçamento de R$ 1,244 bilhão, mas a estimativa é de que a receita liquida não passe de R$ 950 milhões, o que é muito ruim para uma população cheia de problemas e que sofre com a piora, a cada dia, dos serviços essenciais, exatamente pela falta de recursos. A 168 quilômetros de São Gonçalo está Macaé, que tem um universo populacional cinco vezes menor e o dobro da receita, mas o prefeito Aluizio dos Santos Junior, o Dr. Aluizio, diz depender da liberação de um empréstimo de R$ 200 milhões pelo Banco do Brasil a título de antecipação de créditos futuros dos royalties do petróleo.

A Cedae ampliou o sistema de distribuição para três bairros de Seropédica e Itaguaí

Intervenções beneficiam moradores de Seropédica e Itaguaí

Os moradores dos bairros São Miguel (em Seropédica), Vinte e seis de Dezembro e Mangueira (Itaguaí), terão mais água a partir deste sábado. A Companhia Estadual de Águas e Esgoto inaugurou as obras de ampliação do sistema de distribuição, que ganhou um novo de 200 milímetros de diâmetro com 2,6 mil metros de extensão, mais 3.312 metros de redes distribuidoras e mais 300 novas ligações prediais, em cada localidade. “Estes são mais alguns dos investimentos provenientes do caixa da Cedae. São R$ 3 milhões para São Miguel. Nos bairros de Itaguaí, foram aplicados cerca de R$ 500 mil”, disse o presidente da estatal, Jorge Briard.

Antonio Marcos costuma estufar o peito para dizer que é o melhor prefeito que a cidade já teve (Foto: Divulgação/PMCA)

O gestor que espalhou outdoors pela cidade para se propagar como “prefeito empreendedor” não paga o que o município deve: dívida acumulada passa de R$ 50 milhões

Desaparecido das ruas e frequentando pouco o seu gabinete na sede do governo, o prefeito de Casimiro de Abreu parece ter desistido de governar a cidade e também de tentar eleger o sucessor. Mais que isso: os números sugerem que Antonio Marcos Lemos (PSC), que costuma estufar o peito para afirmar que é o melhor gestor que o município já teve, perdeu a mão. De acordo com o sistema da Prefeitura, de janeiro até ontem a receita a líquida era de R$ 74.979.097,23 e os gastos diretos de governo somavam R$ 84.241.368,91, o que equivale a dizer que a administração municipal está gastando mais do que vem arrecadando.

Eduardo Cardoso mandou a procuradoria agir na defesa de 'direitos adquiridos' (Foto:Divulgação/CMM)

A procuradoria da Casa pede na Justiça que sejam mantidos os benefícios já incorporados

Se depender do presidente da Câmara de Vereadores - o médico Eduardo Cardoso Gonçalves da Silva, que até a suspensão do pagamento das incorporações mantida pelo Poder Judiciário tinha salário de mais de R$ 43 mil - o município de Macaé vai continuar pagando R$ 66 mil de salário a um fiscal de obras, R$ 55 mil a um fiscal sanitário, R$ 32 mil a um guarda municipal e R$ 30 mil a uma auxiliar de enfermagem. É que Cardoso determinou que a procuradoria da Casa recorresse ao Tribunal de Justiça para garantir a continuidade do pagamento de supersalários a privilegiados, servidores que foram beneficiados por duas leis aprovadas durante a gestão do prefeito Riverton Mussi, em 2011 e 2012. A determinação era em relação apenas aos servidores inativos, mas Eduardo quer agora que as incorporações continue sendo pagas a todos os beneficiados, freando apenas a concessão de novos benefícios.