Contribuinte terá 100% de desconto sobre multas, juros e correção monetária

Os moradores de Magé com pendências em relação ao Imposto Predial e Territorial Urbano têm até o próximo dia 27 para ficar em dia com município, podendo fazer o pagamento com até 100% de isenção de multa, juros e correção monetária se optarem pela quitação a vista. A dívida também poderá ser paga em duas e três parcelas, mas nestes casos o desconto será de 90% e 70%, respectivamente. Para realizar o parcelamento, os interessados devem se dirigir aos guichês do IPTU instalados na sede da Prefeitura, na Praça Nilo Peçanha, das 9h às 17h. Para quem residente na região de Piabetá o atendimento, também das 9h às 17h, é feito na subprefeitura, que funciona na Praça 7 de Setembro. “Tenho certeza de que muitos contribuintes irão aproveitar para quitar seus débitos e regularizar sua situação com o município, com a possibilidade, em alguns casos, de redução de até 100% da dívida. O montante desse imposto é revertido em mais investimento em saúde, educação, infraestrutura. Isso melhora a qualidade de vida do cidadão mageense”, disse o prefeito Rafael Tubarão.

João Ferreira estaria buscando atingir o atual prefeito deixando de pagar funcionário nomeado

João quer parcelar salário de efetivos em 12 vezes e dar uma “banana” para os comissionados

O último salário pago aos cerca de três mil ocupantes de cargos comissionados em São João de Meriti foi o do mês de julho. Os vencimentos de agosto e setembro deverão ser pagos até o dia 31 deste mês. Os salários de outubro, novembro, dezembro e o décimo terceiro ficarão para a próxima gestão pagar, repetindo a situação verificada em 2008, o último ano de mandato do prefeito Uzias Mocotó, governo do qual o prefeito eleito João Ferreira Neto (PR) fez parte como secretário de Saúde. Os atrasados foram pagos em três meses e em abril de 2009 a folha de pagamento já estava normalizada. Desta vez, já deixou claro o novo prefeito, vai levar um ano para isto acontecer, mesmo assim só os servidores estatutários vão receber o que estiver em atraso.

Antonio Marcos assegura que não vai deixar salário atrasado nem repasses previdenciários pendentes (Foto: Vitor Nantes)

E dinheiro da previdência municipal recebe proteção contra aplicações de risco

Os servidores do município de Casimiro de Abreu não terão nenhum problema para receberem o pagamento do mês de dezembro, o último da gestão do atual, que termina no próximo dia 31, depois de dois mandatos consecutivos. A afirmação é de prefeito Antonio Marcos Lemos. Segundo ele, o dinheiro dos funcionários está garantido e o décimo terceiro salário será pago primeiro, no máximo até o dia 20. A outra boa notícia para os servidores é quanto às finanças da previdência, o Iprev-CA, que registra um caixa de R$ 143 milhões, R$ 125 milhões a mais do contabilizado no dia 31 de dezembro de 2008, quando Paulo Dames, prefeito eleito no dia 3 de outubro, saiu da Prefeitura, também depois de dois mandatos seguidos.

As creches do Vale das Pedrinhas e da Várzea Alegre foram anunciadas com pompas (Foto: Divulgação/PMG)

Creches não são entregues no prazo e acabam custando muito além do contratado

Fazer obras para a Prefeitura de Guapimirim parece ser um excelente negócio. Não precisa cumprir os prazos estabelecidos e para conseguir uma prorrogação e elevar o preço combinado basta se queixar ao “papa”, ou seja, ao secretário responsável pela contratação, alegando, por exemplo, "fatores climáticos e feriados". Foi assim no caso da creche que iria atender às crianças do bairro Iconha e situação semelhante aconteceu com mais duas unidades do mesmo porte, uma na Várzea Alegre e outra no Vale das Pedrinhas. No primeiro a empresa MVC Componentes Plásticos foi atendida em todos os pedidos de aditivos, recebeu mais da metade do valor inicial do contrato, mas paralisou os serviços e o município ficou no prejuízo. As outras unidades são de responsabilidade da empresa Romano Verde Engenharia e Paisagismo, que, segundo informa o sistema de pagamentos da Prefeitura, já recebeu mais de R$ 3,7 milhões, mas, ao ser notificada pela Secretaria de Educação sobre a demora na conclusão das creches, acusou, entre outras alegações, atraso na quitação das faturas, fazendo a comunicação por escrito.

O Hospital José Rabello de Mello vem registrando frequentemente falta de remédios e materiais básicos

Falta de remédios e material de consumo fecha o pronto atendimento

Embora a Secretaria Municipal de Saúde tenha comprometido nos últimos meses cerca de R$ 5 milhões com a aquisição de remédios, material de consumo, manutenção da frota e compra de artigos de papelaria, por falta de recursos foi fechado nesta terça-feira o setor de emergência do Hospital José Rabello de Mello. De acordo com informações de servidores lotados na rede de atendimento médico, a situação já dura um mês, mas piorou bastante na última semana. “Nós queremos trabalhar, mas não tempos condições de trabalho. O pior é que não temos para quem apelar, pois o prefeito (Marcos Aurélio Dias) sumiu da cidade e o secretário de Saúde não resolve nada. Se gastou o município dinheiro com remédio e material básico onde isto foi parar?", indaga um funcionário da unidade.