Medicamento vencido pode complicar a prefeita de Araruama
Comércio ilegal de cigarros supera mercado regular no Brasil
''Máfia'' do reboque perde a vez em Meriti
Grupo Locanty se perpetua também em Valença
Alívio no trânsito em Nova Iguaçu

Região quer ser tratada como merece e precisa

 

Com cerca de 3.8 milhões de habitantes, a Baixada Fluminense, se fosse um país, seria maior que o Uruguai, habitado por quase 3,5 milhões de pessoas, mas a superioridade está apenas no universo populacional, pois o PIB da região é de R$ 92.18 bilhões e o da terceira menor nação da América do Sul R$ 210.41 bilhões. A diferença torna-se maior quando se fala em saneamento: apenas 3% do esgoto da Baixada são tratados e só 30% coletados. A realidade da região foi apresentada nesta sexta-feira (10) ao pré-candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), pelo ex-secretário estadual de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Junior, o Dr. Luizinho (foto) e empresários da região, em encontro realizado em Nova Iguaçu. Do encontro surgiram propostas e o que se ouviu de Paes é que a região será tratada como precisa para alcançar o desenvolvimento pretendido.

Pré-candidato a deputado federal pelo PP, Luizinho defende um tratamento especial para a Baixada Fluminense, região sempre usada como curral eleitoral e desprezada em seguida, para só ser relembrada no próximo período eleitoral. Para ele, os municípios da Baixada precisam estar encaixados numa agenda positiva, com o desenvolvimento econômico e a preparação dos jovens para o mercado de trabalho sendo priorizados.

"Temos o Arco Metropolitano, uma obra importante para o desenvolvimento da região, mas a Baixada não ganhou nada com isso até agora. É preciso que o trecho seja populacionado, ocupado por empresas. Não adianta investir em mobilidade, melhorando transporte e duplicar estradas. É preciso investir para que quem mora aqui possa trabalhar aqui", defende Luizinho

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar