Educação midiática forma cidadão consciente, dizem especialistas
Guedes defende privatizações e diz que a velha política morreu
Tribunal enquadra Prefeitura de Japeri por contratar empresa sem frota
Remédios sem controle em Magé, diz relatório do TCU
Brumadinho, uma cidade inteira de luto

Região quer ser tratada como merece e precisa

 

Com cerca de 3.8 milhões de habitantes, a Baixada Fluminense, se fosse um país, seria maior que o Uruguai, habitado por quase 3,5 milhões de pessoas, mas a superioridade está apenas no universo populacional, pois o PIB da região é de R$ 92.18 bilhões e o da terceira menor nação da América do Sul R$ 210.41 bilhões. A diferença torna-se maior quando se fala em saneamento: apenas 3% do esgoto da Baixada são tratados e só 30% coletados. A realidade da região foi apresentada nesta sexta-feira (10) ao pré-candidato ao governo do estado do Rio de Janeiro, Eduardo Paes (DEM), pelo ex-secretário estadual de Saúde, Luiz Antonio Teixeira Junior, o Dr. Luizinho (foto) e empresários da região, em encontro realizado em Nova Iguaçu. Do encontro surgiram propostas e o que se ouviu de Paes é que a região será tratada como precisa para alcançar o desenvolvimento pretendido.

Pré-candidato a deputado federal pelo PP, Luizinho defende um tratamento especial para a Baixada Fluminense, região sempre usada como curral eleitoral e desprezada em seguida, para só ser relembrada no próximo período eleitoral. Para ele, os municípios da Baixada precisam estar encaixados numa agenda positiva, com o desenvolvimento econômico e a preparação dos jovens para o mercado de trabalho sendo priorizados.

"Temos o Arco Metropolitano, uma obra importante para o desenvolvimento da região, mas a Baixada não ganhou nada com isso até agora. É preciso que o trecho seja populacionado, ocupado por empresas. Não adianta investir em mobilidade, melhorando transporte e duplicar estradas. É preciso investir para que quem mora aqui possa trabalhar aqui", defende Luizinho

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar