Educação midiática forma cidadão consciente, dizem especialistas
Guedes defende privatizações e diz que a velha política morreu
Tribunal enquadra Prefeitura de Japeri por contratar empresa sem frota
Remédios sem controle em Magé, diz relatório do TCU
Brumadinho, uma cidade inteira de luto

Pesquisa diz que ele perderia para três candidatos no segundo turno e mostra empate técnico com o petista Fernando Haddad

 

O atentado ocorrido ontem, em Juiz de Fora (MG), com o candidato do PSL à Presidência da República não foi o único golpe sofrido por Jair Bolsonaro esta semana. Os cabeças de sua campanha estão às voltas com os números que mostram que ele perderia a disputa no segundo turno com Ciro Gomes, Geraldo Alckmin ou Marina Silva, revelando um empate técnico com o petista Fernando Haddad. Se os números da pesquisa do Ibope registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com o protocolo BR‐05003/2018 são duros, o atentado fere, mas para Flávio Bolsonaro, o episódio contribui para eleger seu pai presidente logo no primeiro turno, o que sugere que a ação de um louco que vê os políticos de direita e a maçonaria como coisas do diabo, vai ser explorada ao máximo durante a campanha.

Segundo a pesquisa, em um cenário sem o ex-presidente Lula, Jair Bolsonaro tem 22% das intenções de voto; Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede) 12% cada um; Geraldo Alckmin (PSDB) 9% e Fernando Haddad (PT) 6%.  Na consulta Álvaro Dias (Podemos) e João Amoêdo (Novo) aparecem com 3% das intenções de voto cada um, Henrique Meirelles (PMDB) 2%; Guilherme Boulos (PSOL), Vera Lúcia Salgado (PSTU) e João Goulart Filho (PPL) 1% cada um, enquanto Cabo Daciolo (Patriota) e José Maria Eymael (DC) não atingem 1%.

A pesquisa mostra ainda que 20% dos entrevistados declararam a intenção de anular ou votar em branco e 7% não sabem ou preferem não declarar o voto, mas chamam a atenção os índices de rejeição: Bolsonaro tem 44%; Marina, 26%; Haddad, 23%; Alckmin, 22%; Ciro, 20%; Meirelles, 14%; Cabo Daciolo, 14%; Eymael, 14%; Álvaro Dias, 13%; Boulos, 13%; Vera, 13%; Amoêdo, 12% e João Goulart Filho, 11%.

Sobre o segundo turno a realidade de hoje seria a seguinte: em eventual disputa com Ciro Gomes este obteria 44% dos votos e Bolsonaro, 33%. Se a disputa fosse com Alckmin o candidato do PSDV somaria 41% e Bolsonaro 32%. Com Marina Jair teria 33% e ela obteria 43% dos votos válidos. Em relação ao segundo o quadro mais favorável ao candidato do PSL seria uma disputa com o petista Fernando Haddad, um empate técnico. Jair teria 37% dos votos e Haddad 36%.

A verdade é que diante desses números tem gente da cúpula da campanha do PSL vendo o ataque de um louco como o fermento que o bolo precisa para crescer. Aliás, não é preciso ser nenhum especialista para perceber que o episódio tem o apelo emocional necessário ao momento, ainda mais que o autor confesso da violência já foi filiado ao PSOL.

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar