Gratuidade no transporte teria gerado propina alta em Niterói
Rio das Flores: pequeno em tamanho, grande na falta de transparência
UFC desenvolve ketchup à base de acerola, beterraba e abóbora
Crise financeira em Casimiro de Abreu não é tão feia como se pinta

Candidato do PSL aguarda liberação médica para intensificar campanha

 

Após obter 49,2 milhões de votos no primeiro turno, o candidato à Presidência da República pelo PSL, Jair Bolsonaro, disse ontem (8) que pretende intensificar a campanha eleitoral nos próximos dias, mas depende de uma avaliação médica no dia 10. Segundo ele, a intenção é procurar a união para o segundo turno com os adversários derrotados e eventuais aliados. "O discurso é de união, queremos unir o Brasil e pacificar", afirmou o candidato à Presidência durante quase 20 minutos de entrevista exclusiva concedida à Rádio Jovem Pan. Bolsonaro confirmou que chamou a atenção do candidato a vice-presidente, General Mourão, e do consultor econômico Paulo Guedes. Ele disse que deu “uma canelada” neles para que "maneirem" nas opiniões. "O que eu pedi para ele [Guedes] e para o Mourão é que tenham cuidado com as palavras."

Questionado sobre as propostas econômicas, Bolsonaro reiterou que tem conversado com sua equipe, liderada por Paulo Guedes, e que hoje (9) terá uma reunião. Ele destacou que pretende extinguir estatais, mas não mencionou quais, e manter o programa Bolsa Família, mas combatendo o que considera fraudes. "Não podemos cortar esse programa porque seria uma desumanidade."

Mais uma vez, ele ressaltou que é contrário à recriação da CPMF, o imposto do cheque, e disse que ao admitir que pouco entende de economia, quis demonstrar ser humilde. "Eu dou os ingredientes, eles [os integrantes da equipe econômica] fazem o bolo", afirmou o candidato, acrescentando que pretende reduzir o total de ministérios para 15.

Bolsonaro disse ainda que pretende participar de debates com o candidato do PT à Presidência, Fernando Haddad. "Debater com o PT não tem dificuldade. O que o PT fez ao longo de 13 anos acredito que está vivo na memória de todo mundo, não queremos isso de volta. Eu represento, com quem está do meu lado, uma oposição."

Questionado se pretende conversar com eventuais aliados e eleitores de centro, que não o apoiaram no primeiro turno, o candidato respondeu com bom-humor. "Não posso virar o Jairzinho paz e amor e me violentar, eu tenho de continuar sendo a mesma pessoa."

(Com a Agência Brasil)

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar