O presidente Juscelino Kubitschek recebeu Nat King Cole na biblioteca do palácio (Foto:Acervo do governo estadual)

Até o fim do ano o Palácio Laranjeiras será aberto para visitas guiadas

Fechado para obras de restauração há quatro anos, o Palácio Laranjeiras vai receber visitas guiadas a partir de dezembro. A construção histórica está sendo recuperada com recursos da Petrobras e de mais 12 empresas. A ideia é contar ao público as histórias que o palacete guarda, pois passaram por lá personalidades mundiais como a atriz Kim Novak, o poeta Manuel Bandeira, o Papa João Paulo II, além de presidentes estrangeiros como Gabriel Gonzalez Videla, do Chile, e Harry Truman, dos Estados Unidos. Nele também foram lá recebidos Pixinguinha e Ataulfo Alves e os americanos Louis Armstrong e Nat King Cole, recebidos pelo presidente Juscelino Kubitschek.

O palácio também conta a história de um período conturbado da nação. Foi na biblioteca do Laranjeiras que o presidente Arthur da Costa e Silva assinou o Ato Institucional nº 5, cassando mandatos e suspendendo direitos políticos durante a ditadura militar: na noite de 13 de dezembro de 1968, o ministro da Justiça, Luís Antônio da Gama e Silva, e o locutor oficial da Presidência da República, Alberto Curi fizeram o anúncio oficial do AI-5. Também foi no palácio que os ditadores Costa e Silva e Ernesto Geisel foram velados na mesa de oito pés, com tampo de mármore e folhas de ouro, da Biblioteca.

A última restauração fora feita na gestão do governador Chagas Freitas. Ele e sua esposa, Zoé, moraram no Laranjeiras entre 1979 e 1982, durante o mandato dele como governador. Ao todo treze empresas estão envolvidas no projeto, que tem na Petrobras a melhor parceira. O restauro está sendo custeado pela Ambev, Bradesco, Bradesco Seguros, Cedae, CSN Energia, Gás Natural Fenosa / CEG Rio, Eletrobras Furnas, Light, MRS Logística, Instituto CCR, EDF Norte Fluminense e Vale.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar