Prefeito que deixou R$ 170 milhões em caixa agora depara com déficit de R$ 50 milhões

O município de Rio das Ostras não tem hoje em caixa dinheiro suficiente para cobrir a primeira folha de pagamento do ano e medidas de economicidade terão de ser tomadas para que o salário de janeiro possa ser pago sem atraso. Neste sentido um pacote de ações será anunciado na próxima quinta-feira pelo prefeito Carlos Augusto Balthazar (foto) em entrevista coletiva a imprensa. Embora os servidores estejam há três anos sem correção nos vencimentos, os gastos com pessoal foram elevados a R$ 285 milhões por ano pelo prefeito Alcebíades Sabino, que inchou a folha com cargos comissionados e concessão de gratificações para alguns nomeados. Em relação a esta conta há um rombo de R$ 50 milhões e o equilíbrio terá que ser encontrado nos próximos dias para que os funcionários e a população não venham ser sacrificados.

Por conta das dificuldades financeiras Carlos Augusto ainda não definiu toda a sua equipe de trabalho e já deixou claro que vai cortar um número grande de cargos para equilibrar as finanças e por a máquina administrativa para andar. A prioridade agora é manter salários em dia, melhorar o atendimento na rede de saúde e a limpeza pública, além de garantir que o ano eletivo possa ser aberto com condições de trabalho para os professores, merenda e material garantidos para os alunos.

A situação verificada agora pelo novo prefeito é bem diferente da verificada em janeiro de 2013, quando Sabino encontrou as contas em dia, R$ 170 milhões em caixa e a cidade organizada.

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar