Pagamentos feitos a uma farmácia sediada em Itaocara somem do sistema

Localizada no centro de Itaocara, cidade a 240 quilômetros de Silva Jardim, a Farmácia Amaral de Itaocara recebeu, entre janeiro de 2013 e agosto do ano passado, o total de R$ 3.738.064,30 dos cofres públicos silvajardinenses pelo fornecimento de remédios não existentes na rede municipal de Saúde e parte da aquisição foi feita sem licitação. Processos abertos para compra de medicamentos junto a algumas empresas estão sob investigação e o que se questiona na cidade é a origem dos remédios pelos quais a Prefeitura pagou à farmácia de Itaocara, se pelo que já foi apurado o fornecimento seria feito pela Drogaria Kanaã (foto), estabelecida na Rua Luiz Gomes, na cidade governada pelo prefeito Anderson Alexandre, que é dono de uma rede de drogarias e mantém no município de Rio Bonito sua base central. Os valores pagos pela compra de medicamentos desde o início da gestão de Anderson passam de R$ 16 milhões (números até 31 de agosto de 2016), mas os registros referentes a quitação de faturas da Farmácia Amaral de Itaocara não foram mais encontrados ontem no sistema da Prefeitura.

Apesar dos altos gastos com a compra de remédios para abastecer a farmácia básica do município, usuários das unidades de saúde de Silva Jardim tem reclamado da falta de vários itens, o que não parece incomodar em nada ao prefeito, que não se manifesta sobre o assunto. No caso da Farmácia Amaral de Itaocara ou Drogaria Kanaã, os pagamentos feitos superaram aos valores recebidos pela empresa atacadista Kadmed Medicamentos, sediada em São Gonçalo. Para a farmácia a Prefeitura pagou R$ 620.558,39 em 2016; R$ 1.600.986,33 em 2015, R$ 600.751,41 no ano anterior e R$ 915.768,17 em 2013.

O primeiro contrato de fornecimento firmado em nome da Amaral de Itaocara data de 2012, na gestão do ex-prefeito Marcelo Cabreira Xavier, o Marcelo Zelão, mas a empresa viveu seus melhores dias com a Prefeitura de Silva Jardim a partir da posse de Anderson Alexandre, em 2013. Em 2015, por exemplo, embora já tivesse pago a empresa mais de R$ 1,6 milhão entre 2 de janeiro e 30 de dezembro, Anderson fez uma compra de cerca de R$ 600 mil no dia 4 de dezembro daquele ano, sem licitação, alegando situação de emergência.

Matérias relacionadas:

Devassa nas compras de remédio preocupa em Silva Jardim

Remédios causam dor de cabeça no prefeito de Silva Jardim

Saúde de Silva Jardim compra medicamentos em farmácia

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar