Empresa sem frota e com apenas R$ 300 mil de capital social é a grande beneficiada: quase R$ 18 milhões por seis meses de serviços na coleta de lixo

Segundo Claudio Moreira, presidente da Companhia de Serviços Públicos de Cabo Frio (Comsercaf), uma autarquia municipal, a limpeza urbana vai muito bem obrigado. Diz que o serviço é feito por um efetivo operacional formado por cerca de 500 funcionários, 46 caminhões e 13 máquinas, mas não explica, por exemplo, a fabricação de uma situação de emergência para que uma empresa sediada em Alfenas, no estado de Minas Gerais - sem frota própria e com capital social de apenas R$ 300 mil - pudesse ser contratada sem licitação, ao custo de R$ 2,9 milhões por mês. De acordo com denúncias ignoradas pela Câmara de Vereadores, mas já encaminhadas ao Ministério Público, a gestão do prefeito Marcos da Rocha Mendes, o Marquinho Mendes (foto), estaria abusando dos contratos sem licitação, a maior parte deles através da Comsercaf, alegando sempre "situação de emergência".

A coleta de lixo na cidade vem sendo feita desde janeiro pela empresa Prime Serviços Terceirizados, que substituiu Limpatech Serviços e Construções, que ainda tinha pelo menos seis meses de contrato a cumprir e não vinha recebendo pelos serviços prestados. O contrato com a Prime (número 03/2017) teve início no dia 24 de janeiro, expirou em 23 de abril e foi prorrogado por mais três meses no dia 24 de abril, com validade até 23 de julho e valor global de R$ 8.958.348,00, um total de R$ 17.916.696,00, exatamente R$ 2.986.116,00 por cada um dos seis meses, período contratado na emergencial aberta através do Processo Administrativo 012/2017. Embora ainda faltem 19 dias para o fim do termo aditivo feito no contrato da Prime, o que já se comenta na Prefeitura é que mais uma emergencial estaria a caminho, quando o certo seria abrir uma nova concorrência pública para a contratação do serviço.

Conforme o elizeupires.com já noticiou, o Tribunal de Contas do Estado está de olho nessas tais emergências e pretende dar fim à "malandragem" dos editais de licitação preparados para serem reprovados pela Corte de Contas. No mês passado o TCE analisou e reprovou os editais do lixo enviados pelas prefeituras de Angra dos Reis, Macaé, Magé, Queimados, São Pedro da Aldeia e ao tratar do caso específico dessa cidade a conselheira substituta Andrea Siqueira Martins afirmou que "tais fatos levam a presumir que as emergências invocadas podem enquadrar-se naquilo que, doutrinariamente, convencionou-se denominar de fabricadas ou controladas". Ela citou, por exemplo, que "Itaboraí vem há anos violando as leis que regem as licitações e contratos administrativos quando da contratação de serviços de coleta de resíduos sólidos urbanos e dos provenientes dos serviços de saúde" e concluiu que "não há situação emergencial que justifique a prática recorrente de contratações com base em dispensa de licitação".

 

Matérias relacionadas:

Tribunal de Contas aponta 'malandragem' na fabricação de emergências para contratação de empresas de coleta de lixo sem licitação

Empresa afirma que contrato da limpeza em Rio das Ostras estava vencido desde o dia 3 de junho e que recorrerá à Justiça

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar