Contrato e dispensa de licitação são mantidos em segredo, mas a empresa Limpeza Urbana Serviços, antecessora da Mapylar Consultoria, recebeu R$ 3,7 milhões

É ainda mais intrigante o caso das seguidas situações de emergência alegadas pela Prefeitura de Itaboraí fazer contratos para coleta de lixo sem licitação, uma manobra usada durante os quatro anos da gestão do ex-prefeito Helil Cardoso e repetida já duas vezes pelo atual. Durante a campanha Sadionel de Oliveira (foto) prometeu moralizar a administração municipal e governar com transparência e responsabilidade com a coisa pública. Em vez disso enviou ao Tribunal de Contas do Estado um edital de licitação com 36 irregularidades, 14 a mais que as verificadas na proposta de concorrência de Helil, que em quatro anos fez cinco dispensas de licitação para o serviço. Sadinoel em apenas seis meses homologou dois contratos emergenciais para o lixo e até hoje não deu publicidade a eles no Portal da Transparência como determina a lei. A julgar pela capacidade de cometer erros em edital de licitação e de fazer segredo do que teria de estar bem claro, Oliveira pode vir a superar a façanha de seu antecessor, que deixou o poder como o "filme" queimadíssimo.

As emergenciais do lixo do atual governo somam mais de R$7,6 milhões e o TCE já avisou que está de olho nas fábricas de emergência instaladas em várias prefeituras no estado do Rio de Janeiro. A primeira emergencial foi feita em janeiro e logo nos primeiros 15 dias do mês a empresa Limpeza Urbana Serviços recebeu R$724.159,64 e mais R$471.894,22 na segunda quinzena. Ao todo, até abril, foram efetuados seis pagamentos, chegando ao total de R$3.742.372,54. No site oficial do município não há nenhuma menção ao contrato ou qualquer aviso sobre a dispensa de licitação, da mesma forma que nada é mostrado sobre a segunda emergencial feita no mês passado, com a contratação, por R$3.917.253,62, da empresa da Mapylar Consultoria e Serviços Técnicos, por um período de três meses.

Conforme o Tribunal de Contas já revelou, desde 2013 que vem sendo encontradas irregularidades nos editais de licitação apresentados para análise pela Prefeitura de Itaboraí e essas irregularidades nunca são sanadas, exatamente para criar as tão alegadas situações de emergência, o que levou a conselheira Andrea Siqueira Martins a afirmar o seguinte em voto proferido no dia 26 de junho na análise do edital de Itaboraí: "De uma forma geral, o que se observa é que o jurisdicionado costuma encaminhar a esta Corte de Contas editais repletos de impropriedades. Diante dos apontamentos efetuados pelo órgão de controle externo, posterga ao máximo seu saneamento até o advento do termo final do contrato em vigor, produzindo situação emergencial a fim de efetuar a sobredita contratação por dispensa de licitação", prosseguindo: "Mesmo diante da notória situação de ilegalidade verificada no município quanto aos serviços de coleta de resíduos sólidos, o atual gestor encaminhou edital com nada menos que 36 irregularidades".

Mais adiante, no mesmo voto, a conselheira foi mais contundente ainda: "Itaboraí vem há anos violando as leis que regem as licitações e contratos administrativos quando da contratação de serviços de coleta de resíduos sólidos urbanos e dos provenientes dos serviços de saúde" e conclui: "Tais fatos levam-nos a presumir que as emergências invocadas podem enquadrar-se naquilo que, doutrinariamente, convencionou-se denominar de fabricadas ou controladas".

 

Matéria relacionada:

Itaboraí vai ter de explicar mais uma "emergência" no lixo

Coleta de lixo sem licitação sai caro em Itaboraí

Helil concluirá mandato sem licitar coleta de lixo

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar