Rafael Tubarão, Zelito Tringuelê e Anderson Alexandre estavam contando moedas para pagarem as contas

Os três municípios tinham perdido mais de 60% dessa receita e começaram a receber atrasados

Desde fevereiro raspando as gavetas para conseguirem pagar as contas, os prefeitos de Magé, Guapimirim e Silva Jardim estão respirando melhor. Rafael Santos de Souza, o Rafael Tubarão, Jocelito Pereira de Oliveira, Zelito Triguelê e Anderson Alexandre receberam ontem uma boa notícia de seus tesoureiros: caiu uma parcela referente aos valores que desde fevereiro vinham sendo retidos pela Agência Nacional do Petróleo, o que havia reduzido os repasses dos royalties para esses municípios em 60%. Para conseguirem rever os créditos os prefeitos tiveram de ir várias vezes à Brasília e recorrer à Justiça. Valeu apena: Magé recebeu R$ 6.859.550,84, Guapimirim R$ 5.932.584,51 e Silva Jardim R$ 4.820.224,92.

"Tivemos de fazer malabarismo para não deixar a máquina administrativa parar. Aqui não atrasamos um mês de salário se quer. O salário de junho foi pago na sexta-feira, no exato quinto dia útil do mês seguinte ao trabalhado", comemora Rafael Tubarão.

Para se ter ideia do tamanho do problema bastar pesquisar os repasses feitos em fevereiro, março, abril, maio e junho. Magé, por exemplo, que recebia em média R$ 3,9 milhões por mês, teve no mês passado um crédito de apenas R$ 1.596.870,83, ainda menos que Guapimirim, que teve uma transferência de R$ 1.693.653,74, enquanto Silva Jardim recebeu em junho R$ 854.375,80.

Comentários  

0 #1 João da Silva 11-07-2017 12:24
Dizer quanto entra nos cofres de Guapimirim é fácil, o impossível é descobrir para onde, por que e qual a finalidade dos gastos... Notas e mais notas de empenho sem licitações, o que era para ser a esperança do povo tá virando pesadelo!!!!!!
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar