Contratados reclamam de direitos que não teriam sido recolhidos

No próximo dia 17, às 10h serão abertos os envelopes com as propostas das empresas que conseguirem tirar o edital e participarem do processo licitatório que vai escolher quem fornecerá mão de obra para o serviço de portaria nas escolas da rede municipal de ensino de Nova Iguaçu pelos próximos doze meses, através de um contrato que pode chegar a R$ 20 milhões. Atualmente quem detém o contrato é a empresa Prime Administração, beneficiada com uma situação de emergência, uma das muitas alegadas na gestão do prefeito Rogério Lisboa (foto), para gastar, em seis meses, cerca de R$ 56 milhões sem licitação. A Prime – que também tem contrato com a Secretaria de Saúde – já foi advertida pela Prefeitura por atrasar o pagamento de salários, mas a julgar pelo volume de reclamações, o "puxão de orelhas" não foi suficiente nem afetou a empresa. Tanto que o que se comenta pelos corredores do poder é que ela deve continuar operando no município.

A Licitação nº 034/CPL/17, aberta pelo Processo 2017/004.286 da Secretaria de Educação, estava marcada para a próxima sexta-feira e a Prefeitura informa que a mudança de data ocorreu por conta de alterações no edital. De acordo com o contrato 002-B/CPL/2017, a Prime é responsável pela contratação de 420 porteiros para a escolas e por cada um deles recebe mensalmente R$ 3.344,23 dos cofres da Prefeitura. Entretanto, o salário pago a esses trabalhadores é de R$ 1.168,70 e muitos estão reclamando da retenção de direitos por parte da empresa, embora a Prefeitura informe que os pagamentos das faturas emitidas pela contratada estão em dia.

A empresa – que presta também os serviços de limpeza e conservação nas unidades de atendimento médico – chegou a ser advertida pela Secretaria de Educação por atrasar salários dos seus contratados, mas as reclamações continuam. Alguns dizem que estão há mais de um mês sem vale transporte e ticket refeição e que há um benefício atrasado para quem começou a trabalhar no dia 23 de fevereiro; que a empresa não estaria pagando os feriados trabalhados e que os atrasos seriam constantes.

Com a palavra a administração municipal e a direção da Prime Administração e Serviços.

 

Matéria relacionada:

Mão de obra terceirizada custa caro em Nova Iguaçu

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar