Empresa faz de levantamento topográfico a varrição e construção de creches

Por causa das empresas que conseguiu levar para o polo industrial criado por ele em gestão anterior e nas que acredita que lá ainda vão ser instaladas, o prefeito de Japeri, Carlos Moraes Costa, costuma dizer que o município não é carente, mas sim emergente e, com isso, até alguns de seus adversários políticos concordam. Porém, a 'pujança' da cidade apontada como a mais pobre da Baixada Fluminense, pode ser vista pelos contratos com firmas recém-criadas. Uma delas, por exemplo, segundo informa o cadastro na Receita Federal, está registrada em nome de Wellington Melo Alves, que teve cargo comissionado no segundo mandato de Carlos e assinava processos administrativos como Chefe da Divisão de Obras Públicas com a matrícula 1786-01.

Trata-se da WTE Engenharia, aberta no dia 23 de junho de 2016 e que no cadastro junto à Receita Federal consta como sediada, em parte, na Rua Braulir Dias Guimarães, 110, no bairro Chacrinha. Com R$ 600 mil de capital social, a empresa já assinou este ano cinco contratos com a Prefeitura para quatro objetos diferentes, com valor global de exatos R$6.953.300,66.

O primeiro contrato da WTE com o município de Japeri é o de número 001/2017, firmado por R$ 1.691.122,52, para a construção de uma creche no bairro Nova Belém. Em seguida veio o contrato 004, com valor global de R$ 3.105.753,84, tendo como objeto a prestação dos serviços de varrição manual, capina manual e roçada mecânica dos logradouros públicos, pintura de guias, meios-fios e postes, limpeza de bueiros e caixas de ralo, pelo período de um ano.

Depois vieram os contratos 006 (R$ 1.691.122,52), 030 (R$ 227.282,30) e 035 (R$ 238.019,48), respectivamente para construção de uma creche no bairro Mucajá; levantamento topográfico e elaboração de projetos de drenagem e pavimentação no Jardim Emília e construção de uma guarita e o cercamento da área do antigo lixão da cidade. De acordo com uma fonte ligada ao governo, dos cinco contratos WTE da Engenharia dois foram licitados na gestão passada. São os das duas creches, que juntos somam R$3.382.245.04.

Pelo que consta no sistema do Tribunal de Contas do Estado, Wellington Melo Alves foi condenado na sessão do dia 13 de março de 2008 a ressarcir os cofres do município de Japeri em R$ 228.122,53, por irregularidade em prestação de contas. A decisão - que atingiu ainda, com o mesmo valor, a Augusto Francisco Seiça. Os dois ficaram responsáveis pela fiscalização das obras de pavimentação, urbanização e macrodrenagem contratadas pela Prefeitura junto à Delta Construções - foi tomada no processo 212.574.7.02.

 

Documentos relacionados:

Decisão do TCE - Processo 212.574.7.02

Contrato 001-2017

Contrato 004-2017

Contrato 006-2017

Contrato 030-2017

Contrato 035-2017

 

Arquivos relacionados:

Japeri aumenta em muito gastos com merenda escolar

Empresas abertas depois da eleição faturam em Japeri

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar