Ex-prefeito e seu braço direito são investigados em esquema de corrupção

Um suposto esquema de corrupção pode ter desviado para empresas e contas particulares pelo menos R$ 34,4 milhões de recursos destinados ao setor de saúde de Belford Roxo, um problemático município da Baixada Fluminense. Esse é o objeto de uma investigação do Ministério Público que nesta quarta-feira (10), com apoio da Polícia Civil, cumpriu 36 mandados de busca e apreensão em residências na cidade e na Zona Oeste do Rio, em endereços comerciais e na própria Prefeitura. Os principais investigados são o ex-prefeito Adenildo Braulino dos Santos, o Dennis Dauttmam (foto) e seu ex-braço direito, o ex-secretário de Administração João Magalhães. O esquema de corrupção, de acordo com as investigações, teria funcionando entre 2013 e 2015. Ainda segundo o MP, há "fortes indícios de existência de um esquema de lavagem de dinheiro comandado pelos investigados, através da contratação de empresas para prestação de serviços médicos ligadas Magalhães".  O MP revela que Joãozinho, como o ex-secretário e mais conhecido na cidade, tiveram movimentação financeira muito superior aos seus rendimentos declarados no período.

Durante as investigações o MP apurou que João Magalhães tinha renda líquida de R$119 mil, mas fez movimentações financeiras no total de cerca R$ 3 milhões e repassou R$ 700 mil  ao filho, emcuja casa foram apreendidos R$ 32 mil. Foi apurado ainda que servidores da Prefeitura receberam dinheiro que pode ter originado de contratos de empresas que prestavam serviços na área de Saúde, inclusive em outras cidades da região. "Tínhamos a notícia desses contratos firmados com o município de Belford Roxo, e chegou a notícia de que teve contratos celebrados com outros municípios da Baixada Fluminense", disse o promotor Fabio Corrêa.

Em nota oficial a Prefeitura informamou que "a ação do Grupo de Atuação de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) em conjunto com o Ministério Público e o Núcleo de Combate à Corrupção e Lavagem de Dinheiro da Policia Civil, ocorrida nesta manhã (10), na sede da Prefeitura não diz respeito à gestão atual de governo da cidade: O processo de investigação nº 0012102-69.2016.8.19.0008 foi iniciado em 2016 e atual administração assumiu em janeiro de 2017. Informamos ainda que a Prefeitura, acatou prontamente, ao Mandado de Busca e Apreensão, expedido pela juíza em exercício, Aline Maria Gomes Massoni da Costa, da 2ª Vara Criminal de Belford Roxo e está colaborando para o desempenho e êxito das investigações por parte do Poder Judiciário e da Polícia Civil".

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar