Depois dos escândalos dos 'fantasmas' e da 'caixinha' agora tem mais essa

O prefeito que anuncia - com pompas e circunstâncias - ter reduzido o próprio salário e cortado centenas de cargos comissionados para economizar nos gastos com pessoal é o mesmo que vem permitindo um 'acerto financeiro', manobra que tem resultado num penduricalho nos contracheques de alguns privilegiados do governo. Aluizio dos Santos Junior, o Dr. Aluizio (foto) ainda não deu uma palavra sobre o assunto, mas os contribuintes de Macaé querem saber, por exemplo, por que o procurador geral do município, Augusto Cesar Salgado, recebeu remuneração líquida de R$ 46.368,87, R$ 15.876,22 pelo cargo comissionado e mais R$ 30.492,65 como 'acerto financeiro'.

Como o governo ainda não se pronunciou sobre o 'penduricalho' que teria engordado contracheques de outros secretários, o Ministério Público deverá ser mais uma vez acionado, como aconteceu no caso que resultou na 'Operação Caixinha', que casou a demissão de pelo pelos dois secretários e no afastamento de um vereador, depois que a Promotoria de Justiça apurou que assessores lotados na Secretaria de Agroeconomia estavam sendo obrigados a devolver parte do salário.

Para os servidores efetivos, as folhas de pagamento da Prefeitura e das várias fundações do município precisam ser passadas a limpo, sendo alvo de uma auditoria independente, pois ninguém confia nas providências que o prefeito diz estar tomando. Desde 2015 que tem surgido denúncias de funcionários fantasmas, assombrações nunca encontradas nos corredores da Prefeitura, mas que não costumam faltar nos caixas eletrônicos para sacarem o salário.

O MP começou a investigar o caso da 'caixinha' com cotas dos vencimentos de funcionários comissionados em setembro do ano passado e em dezembro a promotoria conseguiu que a Justiça determinasse o afastamento do secretário de Agroeconomia Alcenir Maia Costa, do vereador José Franco de Muros, o Zé Prestes e do assessor Luiz Otávio Fernandes Gervásio, acusados de ficarem com parte da remuneração de ocupantes de cargos comissionados.

Depois de uma operação de busca e apreensão Aluizio convocou uma entrevista coletiva para dizer que a ação do MP aconteceu por causa de uma auditoria interna. A promotoria negou e afirmou em nota que a Prefeitura limitou-se a encaminhar formulário padrão aos servidores, uma papelada na qual "nenhum rumor de repasse foi constatado".

  

Arquivos relacionados:

Prefeito de Macaé só age depois da porta arrombada

Justiça afasta vereador e secretário acusados de ficarem com parte dos salários de assessores nomeados na Prefeitura de Macaé

Câmara de Macaé aponta “fantasmas” na Prefeitura, mas não consegue controlar o ponto dos 211 assessores indicados por seus 17 vereadores

Fantasmas ainda assombram o prefeito de Macaé

Folha de ponto de servidor também vira fantasma em Macaé

Fantasma derruba vereador em Macaé

Filho do prefeito de Madalena seria "fantasma" em Macaé

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar