Vereadores são suspeitos de peculato, associação criminosa e fraude em  licitação

Presida pelo vereador Marcelo Santos Rosa, o Biriba (foto), a Câmara de Vereadores de Mesquita foi alvo na manhã desta terça-feira de uma operação por parte do Ministério Público e agentes da Delegacia Fazendária. Foram cumpridos mandados de busca e apreensão em dependências da Casa  e  contra dois vereadores, suspeitos de praticar crimes de peculato, associação criminosa, fraude em procedimentos licitatórios e lavagem de dinheiro. Os agentes estiveram nas residências de Biriba, do vereador Amaury Trindade da Silva; do presidente da Comissão de Licitações Fabio de Brito e dos representantes legais das empresas LW Comércio e Serviço de Refrigeração e P.C. Araújo Informática.

Segundo foi apurado, as empresas LW Comércio e Serviço de Refrigeração e P.C. Araújo Informática, vencedoras em licitações realizadas pela Câmara Municipal no ano passado não existiam nos endereços descritos no CNPJ. O MP suspeita de um esquema fraudulento de empresas fantasmas utilizadas somente para emissão de notas fiscais, sem a prestação do serviço contratado. "Há fortes indícios de que tais sociedades realmente não existam e que somente são utilizadas para lesar os cofres públicos através de contratos celebrados com a Câmara Municipal de Mesquita", diz um trecho do requerimento de busca e apreensão encaminhado à Justiça.

 

Matérias relacionadas:

Câmara de Mesquita já custou mais de R$ 130 milhões

Passeio às custas do povo de Mesquita

Falta de transparência vira caso de polícia em Mesquita

Divida da Câmara coloca Mesquita no ‘SPC’

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar