Foram gastos quase R$ 2 milhões na compra de fraldas descartáveis e leite em pó

Além da Câmara de Vereadores de Mesquita, da qual, segundo investigação em curso no Ministério Público e na Delegacia Fazendária, teria recebido  pelo menos R$ 320 mil sem fornecer a totalidade dos produtos comprados, a empresa LW Comércio e Serviços de Refrigeração fez negócios também com a Prefeitura local, o que aconteceu na gestão do prefeito Rogelson Sanches Fontoura, o Gelsinho Guerreiro (foto). Pelo menos é o que revela o extrato do Contrato Administrativo Nº 038/2016, firmado para aquisição de fraldas descartáveis e leite em pó, no valor global de R$ 1.890.018,00. Aberta no dia 13 de agosto de 2013, a LW consta como fechada no dia 29 de janeiro desde ano, quando o inquérito que resultou numa operação de busca e operação na última terça-feira na Câmara e nas residências do presidente e do vice da Casa, já estava em curso.

Além da LW, as investigações envolvem ainda a empresa P.C. Araújo Informática. As duas, no ano passado, foram declaradas vencedoras de licitações nas quais concorreram sozinhas, mas não existem nos endereços declarados como sede. Segundo foi apurado até agora, o MP trabalha com hipótese da existência de um esquema fraudulento nos pregões, com empresas fantasmas utilizadas apenas para emitirem notas fiscais, sem prestar sérvios ou entregar os produtos adquiridos pela Câmara Municipal.

"Há fortes indícios de que tais sociedades realmente não existam e que somente são utilizadas para lesar os cofres públicos através de contratos celebrados com a Câmara Municipal de Mesquita", diz um  trecho do requerimento de busca e apreensão encaminhado à Justiça.

O contrato firmado entre a Câmara de Vereadores e a LW tem como objeto o fornecimento produtos de higiene, limpeza e material de informática, mas a quantidade de produtos entregues teria sido bem menor. Já a P.C. Araújo Informática ficava encarregada da manutenção dos aparelhos de ar-condicionado da Casa, serviço que não teria sido prestado.

 

Matérias relacionadas:

Polícia e MP fazem operação na Câmara de Mesquita

Câmara de Mesquita já custou mais de R$ 130 milhões

Passeio às custas do povo de Mesquita

Falta de transparência vira caso de polícia em Mesquita

Divida da Câmara coloca Mesquita no ‘SPC’

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar