Vereador que seria dono de fato de empresa apontada como beneficiada em suposto esquema de tráfico de influência, contador e prefeito navegam tranquilamente no mesmo barco do poder 

Há exatos três anos, seis meses e 27 dias, então presidente da Câmara de Vereadores, Eduardo Guedes, o Dudu (foto), prometeu apurar denúncias de tráfico de influência, falsidade ideológica e fraude em licitações feitas em relação a um contrato para o serviço de limpeza urbana firmado na gestão do prefeito Luis Carlos Ypê, com valor inicial de cerca de R$ 1 milhão. Além de descumprir a promessa, hoje prefeito, ele nomeou a pessoa apontada como dona de fato da empresa envolvida para um cargo no primeiro escalão do governo e mantém na titularidade da Secretaria de Fazenda o contador que fez a alteração do contrato social da firma, registrada três meses após ela ter sido contratada pela Prefeitura. A firma é a KM de Resende, que firmou contrato em novembro de 2011, teve a alteração do ramo de atividade feita em janeiro e registrada em fevereiro de 2012. 

O caso veio à tona no dia 23 de setembro de 2014 com matéria "Secretário de Fazenda aparece como contador, testemunha e contratante de empresa que fatura alto na Prefeitura de Itatiaia", revelando que José Roberto Ferreira Domingos – que já comandava a Secretaria de Fazenda, onde permanece como titular –, atuando como contador particular da empresa, redirecionou o ramo de atividades da KM, que passou a exercer atividades de limpeza urbana e aluguel de máquinas. Isso possibilitou a contratação por parte da Prefeitura, embora a alteração só tivesse sido registrada três meses depois da licitação e da assinatura do contrato.

Segundo as denúncias – também apresentadas ao Ministério Público pelo advogado Jerônimo Nunes de Mello –, além de atuar como contador da empresa, o secretário de Fazenda figurou como testemunha (com assinatura registrada em cartório) da alteração contratual que permitiu a entrada da KM para a Prefeitura e ainda teria autorizado duas prorrogações contratuais consecutivas, uma em novembro de 2012 e outra em novembro de 2013, garantindo a permanência da empresa na prestação dos serviços pelo menos até 2014 e um faturamento de aproximadamente R$ 2,5 milhões.

Em matéria veiculada pelo elizeupires.com no dia 24 de outubro de 2014, o hoje prefeito afirmou: "Essa casa tem se portado com firmeza em várias questões apresentadas pela sociedade e não agirá de forma diferente nesse caso. Vamos pedir cópia do processo de licitação, do contrato e apurar tudo, inclusive convocando os envolvidos para prestarem esclarecimentos. Com certeza vamos investigar e tomar as providências necessárias".

Dudu não fez nada disso e as denúncias foram ignoradas também pelo sucessor dele na presidência do Legislativo, o vereador Jair Balbino da Silva, o Jair Porquinho, que assumiu a Casa no dia 1º de janeiro de 2015, ficando a população sem saber o que de fato aconteceu.

 

Matérias relacionadas:

Secretário de Fazenda aparece como contador, testemunha e contratante de empresa que fatura alto na Prefeitura de Itatiaia

Patrão no papel, empregado na realidade

Favorecimento ainda mais evidente em Itatiaia

Câmara vai investigar contrato suspeito em Itatiaia

MP recebe pedido para apurar contrato suspeito em Itatiaia

Câmara de Itatiaia não apurou contrato suspeito

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar