O município paga mais de R$ 246 mil por mês por 12 ônibus velhos

 

Quando a JL Transporte assinou, em fevereiro do ano passado, um contrato emergencial de R$ 715.743,87 para locomoção, por três meses, dos alunos da rede municipal de ensino de Japeri, disponibilizou 12 ônibus fabricados entre 2005 e 2006, pelo menos nove deles com licenciamento vencido e alguns com restrição judiciária. Mesmo assim a empresa venceu, alguns meses depois, licitação para continuar prestando o serviço com os mesmos veículos, ao ao custo de R$ 2.712.608,69 em 11 meses. Se antes podia alegar nada a ver com o problema – uma vez que o serviço fora contratado pelo prefeito afastado, Carlos Moraes Costa – o prefeito interino Cezar Melo acabou entrando de cabeça e dificilmente escapará da malha do Tribunal de Contas do Estado, que determinou a inspeção do contrato e da frota, não está gostando do que viu até agora.

Mesmo sabedor das denúncias sobre o estado irregular da frota locada e de investigações em curso, Melo resolveu renovar – por mais cinco meses e valor total de R$ 1.233.003,95 – o contrato da empresa, como mostra um termo aditivo assinado em 9 de agosto, dias após ele ter substituído o prefeito Carlos Moraes Costa, que homologou as duas contratações anteriores. A locação dos ônibus já havia chamado a atenção do Ministério Público, que no dia 24 de maio oficiou à Câmara de Vereadores para que a Comissão de Educação explicasse porque não havia tomado, até então, providências em relação às denúncias de irregularidades sobre a frota destinada ao transporte dos alunos.

Desde o dia 20 de fevereiro deste ano que o elizeupires.com vem tocando no assunto, mostrando a situação dos ônibus locados da JL, sem que a Prefeitura ou Poder Legislativo agissem. No mês passado surgiu a informação de que seria feita uma nova licitação em dois meses no máximo e que no edital constaria a exigência de que a empresa vencedora teria de disponibilizar veículos com no máximo dois anos de uso e devidamente certificados para o transporte de alunos, mas o que se diz hoje no município, é que a exigência seria agora de cinco meses.

Na Prefeitura a alegação para a renovação do contrato por cinco meses e não de apenas dois como estaria previsto, é de que a empresa teria regularizado a situação da frota, o que não verdade, pois alguns ônibus até estão com o licenciamento 2018, o que teria sido feito a partir de maio, mas há pelo menos dois com documento vencida em 2014 (LUX-5966) o 2015 (LVA-5531) e com anotações de restrição judicial. Além disso, e entre os licenciados recentemente tem veículos cuja cor predominante é amarela, mas consta no documento como branca.

Aberta no dia 9 de abril de 2015, a JL Transporte e Construção tem capital social de R$ 400 mil e está registrada em nome de Michel de Sá Paixão.

 

Matérias relacionadas:

Japeri paga caro para ônibus irregular transportar alunos

Japeri insiste com ônibus irregulares no transporte escolar

Ônibus caros e ilegais continuam transportando crianças em Japeri

Frota escolar ilegal de Japeri: com dinheiro de 12 ônibus usados alugados a Prefeitura poderia comprar 73 legalizados por ano

Câmara de Japeri se omite no caso dos ônibus ilegais

MPF recebe denúncia sobre frota ilegal da Educação de Japeri

Autoridades de trânsito ignoram os ônibus ilegais de Japeri

Ministério Público cobra Comissão de Educação da Câmara de Japeri sobre sucatões alugados para o transporte de alunos

Mesmo com investigação do Ministério Público a Prefeitura de Japeri mantém "sucatões" transportando alunos por R$ 2,7 milhões

Com fim do contrato Japeri pode ficar livre dos 'sucatões'

Prefeito de Japeri prorroga contrato dos 'sucatões'

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar