O prefeito de Rio Claro, pequena cidade no Sul Fluminense, José Osmar de Almeida, vai ter que tomar providências urgentes e concluir o processo licitatório da limpeza pública se não quiser ter problemas com o Tribunal de Contas do Estado e possivelmente até com a Justiça. É que um contrato de 2013 vem sendo esticado com aditivos em favor da Rio Zin Ambiental, empresa controlada pelo mesmo grupo da Locanty, que passou a usar outros nomes como Própria e Rio Zin. A licitação do lixo deveria ter sido feita em 2017, foi remarcada para este ano, já foi suspensa pelo menos umas duas vezes e sofreu mais um cancelamento. A última data escolhida foi 11 de setembro, mas no dia 10 foi publicado o adiamento sine die, com a Prefeitura alegando "não haver tempo hábil para analisar as impugnações interpostas", embora os problemas com o edital já fossem conhecidos há bastante tempo...

O edital questionado é o que sustentaria o Pregão 014/2017, no valor global de R$ 3.027.662,54, R$ 412.148,47 a mais que o valor atual do contrato 053/2013, que vem sendo corrigido anualmente e estendido através de termos aditivos. O adiamento da licitação – causado pelas impugnações feitas no edital – acabou favorecendo a Rio Zin que vai garantindo o faturamento sem precisar concorrer com nenhuma outra empresa. 

Desde o início do ano passado que o Tribunal de Contas do Estado vem alertando as prefeituras sobre os aditivos e contratos emergenciais para o serviço de coleta de lixo a partir das reprovações de editais, muitos deles enviados com problemas à apreciação do TCE exatamente para serem reprovados, manobra apelidada de "malandragem" e "pegadinha". No município de Itaboraí, por exemplo, desde 2013 que o serviço é prestado na base do contrato emergencial. Sempre que a Prefeitura era cobrada pela falta de licitação surgia um edital esquisito para apreciação do Tribunal de Contas do Estado, que, por nele encontrar irregularidades, acabava suspendendo a concorrência até que fossem feitas correções na planilha de custos, o que nunca acontecia: corrigiam uma ou duas e deixam outras para mais uma reprovação.

A situação se repete em vários municípios do estado do Rio de Janeiro a fora, com a "malandragem" de fabricar emergências e mandar ver nos contratos sem licitação, através dos quais são escolhidas empresas de acordo com a vontade dos prefeitos. Detectada a "esperteza", o TCE já avisou que vai considerar as emergências fabricadas na análise das contas de gestão e os prefeitos poderão ser incluídos na lista dos responsáveis por contas julgadas irregulares. Em junho do ano passado o TCE reprovou, por exemplo, os editais do lixo enviados pelas prefeituras de Angra dos Reis, Macaé, Magé, Queimados e São Pedro da Aldeia. Outros foram canetados depois e muitos ainda estão sob análise do corpo técnico.

No caso de São Pedro da Aldeia, ao proferir seu voto no processo da análise do edital do lixo, a conselheira substituta Andrea Siqueira Martins afirmou que "tais fatos (erros não corrigidos) levam a presumir que as emergências invocadas podem enquadrar-se naquilo que, doutrinariamente, convencionou-se denominar de fabricadas ou controladas". Em relação a Itaboraí a mesma conselheira apontou 36 impropriedades no edital e disse que não eram corrigidas com o objetivo de produzir uma situação de emergência. "Itaboraí vem há anos violando as leis que regem as licitações e contratos administrativos quando da contratação de serviços de coleta de resíduos sólidos urbanos e dos provenientes dos serviços de saúde", disse a conselheira na época, concluindo que "não há situação emergencial que justifique a prática recorrente de contratações com base em dispensa de licitação".

 

Matérias relacionadas:

'Pegadinhas' no edital levam o Tribunal de Contas a suspender pela quarta vez o edital de licitação da coleta de lixo em Mangaratiba

Tribunal de Contas aponta 'malandragem' na fabricação de emergências para contratação de empresas de coleta de lixo sem licitação

TCE quer fechar as 'fábricas de emergências' das prefeituras

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar