Documento apontava cinco situações irregulares

 

Em dezembro do ano passado a direção da previdência dos servidores municipais de Queimados de que o capital financeiro da autarquia deve crescer R$ 48 milhões em 2019. Segundo o presidente do Previ-Queimados, Marcelo Fernandes, a estimativa para este ano é de que haja uma evolução de 23,6% e o patrimônio alcance a marca de R$ 162 milhões. Faltou dizer, entretanto, que o último Certificado de Regularidade Previdenciária foi emitido em junho de 2016 e teve seu prazo de validade vencido em janeiro de 2017. O documento apontou cinco irregularidades, e sua renovação depende da regularização das situações encontradas pelo Ministério da Previdência Social (MPS).

O documento apontou como irregulares o "a tendimento ao MPS em auditoria indireta no prazo;  caráter contributivo (reepase); utilização dos recursos previdenciários (decisão administrativa; equilíbrio financeiro e Atuarial (encaminhamento NTA, DRAA e resultados das análises) e o demonstrativo de informações previdenciárias e repasses (DIPR - Consistência e Caráter Contributivo)"

A não regularização pode impedir  o município de fazer várias operações, como  celebrar acordos, contratos, convênios ou ajustes, obter empréstimos, financiamentos e subvenções de órgãos ou entidades da administração direta e indireta da união.

 

O espaço está aberto para qualquer manifestação. Com a palavra a administração municipal de Queimados.

 

Documentos relacionados

Certificado emitido em junho de 2016

Extrato Previdenciário de 2016

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar