Condenada por improbidade administrativa junto com os ex-prefeitos Renato da Costa Mello Júnior e Marcos Aurélio Dias, a organização não-governamental Casa Espírita Tesloo – rebatizada como Obra Social São João Batista – recebeu da Prefeitura de Guapimirim entre 2012 e 2015 R$ 88,4 milhões. A ONG foi contratada para fornecer mão de obra à administração municipal em 2012 e teve os contratos prorrogados até uma decisão da Justiça impedir novos aditivos. Pelo que foi apurado pelo Ministério Público os valores foram superfaturados e ao menos dois filhos e um cunhada de Marcos Aurélio recebiam salários da instituição.

De acordo com as investigações, Marcus Vinícius do Nascimento Dias, Marceli do Nascimento Dias, filhos do então prefeito e a cunhada dele, Sueli Santana da Silva, tinham sido nomeadas nas funções de assessores especiais na Prefeitura em 2013, mas depois de denúncias de nepotismo foram exonerados e contratados em fevereiro de 2014 através da ONG.

O primeiro contrato entre o município de Guapimirim e a Tesloo foi firmado em janeiro de 2012 para efetivo de 280 funcionários para a Prefeitura. Vários termos aditivos foram assinados depois, aumentando os valores a serem pagos e o número de funcionários.  Em 2015, quando o MP conseguiu na Justiça acabar com a “farra” o número de contratos era de 960, sendo que cada contratado custava aos cofres da municipalidade três vezes mais do que recebia como salário.

Em 2013, por exemplo, a então Tesloo recebia R$ 2,9 milhões por mês, uma média de R$ 10,3 mil por cada um dos 280 terceirizados. No caso dos motoristas, por exemplo, a ONG recebia da Prefeitura R$ 13,93 por hora trabalhada, R$ 111,44 por dia, R$ 3.343,20 por mês, mas o salário efetivamente pago no fim do mês passava de pouco mais de R$ 1 mil.

Matérias relacionadas:

Ex-prefeitos terão de devolver R$ 88 milhões aos cofres de Guapimirim

Ex-prefeito de Guapimirim e parentes vão responder por nepotismo

Parentes de prefeito "trabalhavam" para terceirizada em Guapimirim

Terceirização suspeita dá cadeia em Guapimirim

Gastos com Tesloo somem do sistema em Guapimirim

MP evitou que Ong continuasse em Guapimirim com outro nome

Guapimirim mantém ONG que recebe por 3 e paga por 1

Guapimirim terá de explicar quanto gasta com Ong

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar