Uma suposta visita da Promotoria de Justiça de Resende na manhã desta sexta-feira (12) estaria balançando a já conturbada estrutura do mandato do prefeito Diogo Balieiro Diniz. Fontes do governo municipal garantem que o Ministério Público intimou o o governo a exonerar cerca de 150 comissionados. Até o momento desta edição, não havia confirmação se a suposta degola nos CC de Balieiro estaria relacionada a denúncias junto ao MP em razão do não chamamento de alguns aprovados no concurso público de 2016, que estariam "na geladeira" e com suas funções sendo exercidas pelos cargos comissionados do prefeito.

Em 2017, por exemplo, a administração de Balieiro foi acusada de instalar uma espécie de procuradoria clandestina na administração municipal. O setor paralelo estaria abrigando 25 cargos comissionados, que na prática estariam substituindo as atribuições dos titulares dos cargos, no caso os servidores concursados. Na ocasião, oito procuradores efetivos da Prefeitura ingressaram com uma ação na 1ª Vara Cível contra o prefeito e o procurador José Renato de Carvalho. Os autores alegaram que a Justiça já havia julgado procedente uma ação de inconstitucionalidade (0032300-54.2016.8.1619.0000) movida pelo MP, declarando inconstitucionais os cargos de procuradores adjuntos I e II.

Mas se o suposto direcionamento de cargos comissionados para funções conquistadas por pessoas aprovadas via concurso público anda rendendo uma enxurrada de denúncias contra o governo municipal de Resende, o excesso e os salários gordos pagos aos CC também saem caro ao bolso dos contribuintes de Resende.

Em 2017, Balieiro mandou para Câmara uma "reforma administrativa" polêmica que segundo os cálculos de representantes da Associação dos professores elevou de R$ 38,7 milhões para R$ 43,6 milhões anuais o custeio do município com a folha de pagamento dos cargos comissionado e funções gratificadas, propostos na época pelo projeto de lei 012/2017. O que de acordo com as projeções representou um inchaço de 12,77% na folha de pagamento da Prefeitura.

Matérias relacionadas:

'Trem da Alegria' de Resende pode custar ainda mais caro 

Suposta procuradoria clandestina vai parar na Justiça em Resende 

Prefeitura de Resende vira 'paraíso' de parentes do prefeito

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar