Responsável por um concurso realizado em 2016 pela Prefeitura de Rio Bonito, cujo resultado final acabou suspenso após denúncia de que membros do governo e pessoas ligadas a eles e a vereadores teriam sido beneficiadas, a empresa Consulpam Consultoria já começou a receber inscrições para o certame aberto pela Câmara de Vereadores de Guapimirim para preencher 25 vagas imediatas. As denúncias sobre o concurso de Rio Bonito foram apresentadas ao Ministério Público por candidatos classificados fora do número de vagas, que se sentiram prejudicados por um suposto vazamento de informações, o que teria beneficiado alguns inscritos.

O concurso de 2016 foi aberto pela prefeita Solange de Almeida para o preenchimento de 400 vagas nas funções de assistentes sociais, biblioteconomistas, biólogos, enfermeiros, engenheiros, farmacêuticos, fiscais de tributos, médicos, nutricionistas, odontólogos e médicos-veterinários, além de assistentes administrativos, auxiliares de biblioteca, fiscais de obras e de postura, inspetores de alunos, secretárias escolares, técnicos em enfermagem, radiologia e em turismo e também agentes de serviços gerais, auxiliares de serviços diversos, zeladores, agentes de saúde pública, artífices em geral, merendeiras, motoristas e operadores de máquina.

No certame, além de pessoas ligadas a vereadores, apareceram na lista de aprovados, o então secretário de Administração Marco Aurélio Ferreira da Silva, esposa dele, Claudia Helena Miguez Moraes de Britto, classificados nos primeiros lugares as funções de fiscal de tributos e técnico em contabilidade, respectivamente.

Matérias relacionadas:

Candidatos querem anulação de concurso em Rio Bonito

MP poderá pedir anulação do concurso de Rio Bonito

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar