Já questionado em ação popular, o contrato firmado entre a Prefeitura de Valença e a Cruz Vermelha gerou mais uma judicial, dessa vez uma ação civil pública por “violação aos princípios administrativos e improbidade administrativa”, proposta diretamente pelo Ministério Público Estadual. São réus no processo 0009023-16.2013.8.19.0064 a filial da Cruz Vermelha de Barra do Piraí, o município de Valença, Antonio Fábio Vieira e, Paulo Jorge César.

Firmado em 2008 com o valor inicial de R$ 2,5 milhões, o contrato vinha sendo renovado anualmente e, no ano passado, teve o titular (Cruz Vermelha de Barra do Piraí) substituído pela Cruz Vermelha do Rio de Janeiro, o que, no entender da advogada Carla Ferraz, que patrocina a ação popular, foi uma manobra do prefeito Álvaro Cabral (PRB) para mascarar o contrato, uma vez que o vínculo está sendo objeto de ação judicial.

Com várias irregularidades anotadas, o contrato venceu em agosto do ano passado, não foi feito mais nenhum termo aditivo, mas a Prefeitura continua pagando - agora a Cruz Vermelha do Rio de Janeiro - pelo fornecimento de mão de obra para o setor de saúde. Além de substituir o titular e manter os pagamentos mesmo sem a renovação, o prefeito Álvaro Cabral aumentou para 15% o percentual retido pela entidade a título de taxa de administração, que era, até maio do ano passado, de 9% do total pago a cada mês pela Prefeitura pelos funcionários contratados através da Cruz Vermelha.

Matérias relacionadas:

Cruz Vermelha recebe por contrato inexistente

 

Comentários  

0 #1 Dirceu 07-03-2014 14:47
Essa maracutaia da Cruz Vermelha com os municípios é velha e bem conhecida.
Porque os políticos com nome ou sobrenome ( Cabral ) tem dificuldade com a honestidade...
Citar
0 #2 Eudes 07-03-2014 17:16
Vergonha, vergonha, vergonha.
Citar
0 #3 Martinazze 07-03-2014 17:18
Fora Alvaro cabral.
Citar

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar