Sobrepreço foi na contratação do trecho de Santa Cruz

A Procuradoria Regional da República da 2ª Região rejeitou nesta terça-feira um recurso impetrado pelos advogados das empresas Concremat e Tecnosolo, contratadas em consórcio, há dez anos para obras nas rodovias BR-101/RJ e BR-493 em Santa Cruz, zona norte do Rio, no acesso ao Porto de Sepetiba. A defesa tenta impedir a abertura do processo para julgar indícios dos atos de improbidade. De acordo com o MPF, foram causados aos cofres públicos prejuízos no total de R$ 121,6 milhões, com valores atualizados em 2014. Segundo foi apurado, o consórcio respondeu por um contrato de gestão ambiental e teria recebido por serviços não prestados.

Diante do acordo os profissionais da Educação saíram da situação de greve para estado de greve (foto: Ivan Teixeira)

Isso se receberem o salário de novembro

Os professores da rede municipal de ensino de Belford Roxo, na Baixada Fluminense, voltarão às salas de aula depois do carnaval. Compromisso nesse sentido foi assumido em audiência especial no Tribunal de Justiça, com representantes da categoria e do governo, que por sua vez se comprometeu em pagar o salário de novembro até a próxima sexta-feira (dia 24), de forma integral ou pela metade, com os 50% restantes quitados no máximo até o dia 2 de março. Ficou acertado ainda o parcelamento do vencimento de dezembro e do décimo terceiro em oito vezes. A vitória da categoria foi dupla: a primeira sobre o prefeito Wagner dos Santos Carneiro, o Waguinho (foto) que havia partido para a intimidação e a segunda sobre as próprias diretoras (todas nomeadas em cargos de confiança e boa parte indicada por vereadores), que vinham pressionando os profissionais a irem trabalhar mesmo sem o dinheiro da passagem, sob a ameaça de que teriam os dias parados descontados.

Empresa prestadora do serviço na Saúde também teria sido trocada

Encarregada de preparar e distribuir alimentos para o Hospital Geral de Nova Iguaçu, o Hospital da Posse e o Centro Materno Infantil, a Masan Serviços Especializados deixou de prestar o serviço por falta de pagamento e teve o contrato rescindido unilateralmente. Até aí tudo bem. O problema é que a alimentação continua sendo servida e a direção da unidade não revela por qual fornecedor, esclarecimento que se faz necessário, já que nenhum processo licitatório para este objeto ou contrato emergencial foi tornado público pela Prefeitura até agora. O elizeupires.com fez contato com a direção do HGNI, enviando o pedido de esclarecimentos via mensagem eletrônica, mas até o fechamento desta matéria nenhum esclarecimento foi prestado. Neste domingo moradores da cidade deverão abraça simbolicamente o Hospital da Posse, um ato de protesto contra a precariedade no atendimento. Entretanto, este deverá ser um constrangimento menor para o prefeito Rogério Lisboa (PR), pois durante a semana deverão ser apresentados questionamentos junto ao Ministério Púbico sobre a troca do fornecedor de alimentos e a substituição dos antigos guardas, já que também não foi feita licitação para o serviço de vigilância.

Empresa sediada em São João de Meriti seria a responsável pela alimentação dos alunos

A Prefeitura de Nova Iguaçu ainda não divulgou nenhuma licitação para o fornecimento de merenda, mas basta uma visitinha nas escolas da rede municipal de ensino para constatar que o fornecedor mudou, saindo as empresas Home Bread e Masan. De acordo com alguns funcionários, teria entrado a Denjud, que não aparece do Portal de Transparência como vencedora de nenhuma concorrência no município, nem mesmo de uma dispensa de licitação por emergência, manobra comum nos inícios de governo. O prefeito Rogério Lisboa (foto), foi procurado para falar sobre o assunto, mas não foi encontrado e nem respondeu a mensagem eletrônica do elizeupires.com solicitando informações sobre o assunto, que chama atenção dos poucos vereadores do bloco de oposição pelo fato de o fornecimento de alimentação aos alunos ser um dos contratos de valor mais elevado, cerca de R$ 40 milhões por ano, média tirada dos gastos registrados nos 12 meses de 2016.

Decisão foi tomada em outro processo por improbidade administrativa

Em decisão tomada pelo juízo da 1ª de Rio das Ostras, o ex-prefeito de Rio das Ostras, Alcebíades Sabino dos Santos (foto), foi mais uma vez condenado por improbidade administrativa. A sentença foi proferida no Processo n° 0008575-70.2009.8.19.0068, proposto pelo Ministério Público. Na ação também foram condenados o ex-secretário de Obras Ronaldo Barcelos e João José Moreira, dono das empresas JJM Agroserviços e Tricon, únicas concorrentes na licitação feita para a construção do Pronto Socorro Municipal. O certame foi vencido pela JJM, embora a empresa tivesse apresentado proposta superior ao valor global definido no edital. A JJM foi contratada por cerca de R$ 900 mil e ainda recebeu R$ 109 mil a mais para construir uma garagem anexa o que, segundo uma análise do Tribunal de Contas do Estado e a denúncia do MP, não fez parte da licitação.