O prefeito Alcebíades Sabino vem sofrendo seguidas derrotas na Justiça, o que compromete seu futuro político

Prefeito de Rio das Ostras tem mais uma condenação confirmada

A oitenta e um dias de deixar o poder, o prefeito Alcebíades Sabino dos Santos não poderá disputar um cargo eletivo tão cedo. Tecnicamente inelegível até 2023, ele teve mais uma condenação por improbidade administrativa com registro de dano ao erário público confirmada pelo Tribunal de Justiça, esta por decisão 10ª Câmara Cível que, por três votos, rejeitou os embargos apresentados contra sentença proferida em abril de 2015 pelo juiz Rodrigo Leal Manhães de Sá Juiz, da 1ª Vara de Rio das Ostras, obrigando Sabino e seu chefe de gabinete, Aldem Vieira de Souza, a devolver, juntos, cerca de R$ 300 mil aos cofres da municipalidade, por conta de pagamentos indevidos feitos em favor de Vieira.

A proposta é estimulando o ecoturismo regional ao valorizar e democratizar o uso público dos atrativos naturais

O Parque da Serra da Concórdia passou de 800 hectares para seis mil hectares

Duas novas medidas de preservação da fauna e flora nativa na região do Médio Paraíba foram lançadas pelo governo fluminense para garantir maior segurança hídrica para o estado, o que se torna possível com a conservação de importantes fragmentos de Mata Atlântica. A ampliação do Parque Estadual da Serra da Concórdia, que passou de 800 hectares para seis mil hectares, é uma das ações que colabora diretamente para a melhoria da qualidade de vida da população, estimulando o ecoturismo regional ao valorizar e democratizar o uso público dos principais atrativos naturais dos municípios de Valença e de Barra do Piraí.

Mesmo desaconselhado pelo alto índice de rejeição, o prefeito Alcebíades Sabino (a direita) foi às ruas pedir votos para tentar permanecer no cargo por mais quatro anos

Mas coloca na folha de pagamento 19 candidatos derrotados nas urnas

A edição do órgão oficial do município de Rio das Ostras lançada neste fim de semana traz uma péssima notícia para servidores efetivos nomeados em funções gratificadas e ocupantes de cargos comissionados. É que através da Portaria 1248 o prefeito Alcebíades Sabino dos Santos, terceiro colocado nas eleições (com 7.578 votos), destituiu 42 FGs e exonerou 75 nomeados. A justificativa oficial é a de que os cortes foram feitos para ajustar as contas da Prefeitura, mas no mesmo ato Sabino nomeou 36 pessoas em cargos de confiança, recolocando na folha de pagamento pelo menos 19 nomes que haviam se desincompatibilizado para concorrer a uma vaga de vereador e não conseguiram votos suficientes, todos da coligação que apoiou a fracassada campanha do prefeito pela reeleição. A portaria tem data de 7 de outubro, mas as demissões são retroativas ao dia 1º, um dia antes do massacre que Sabino sofreu nas urnas. A expectativa é de que pelos menos mais 150 exonerações ocorram durante a semana.

O Prodetur foi criado para apoiar reservas privadas e conciliar esse apoio com o desenvolvimento turístico

Ações do Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo serão focadas em 46 propriedades nas Costa Verde e na Serra Imperial

Com investimentos totais de R$ 3 milhões, recurso garantido pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), o programa estadual de Reserva Particular de Patrimônio Natural (RPPN), implementado pelo Instituto Estadual do Ambiente (Inea), vai ganhar subpolos nas regiões da Costa Verde e da Serra Verde Imperial. É o Programa Nacional de Desenvolvimento do Turismo (Prodetur), criado para apoiar reservas privadas e conciliar esse apoio com o desenvolvimento turístico.

 Alcebíades Sabino está saindo e levando junto seus dois fiéis escudeiros: os veredores Nini e Elói

Prefeito de Rio das Ostras é humilhado das urnas

Há quatro anos o hoje prefeito de Rio das Ostras, Alcebíades Sabino dos Santos comemorava sua expressiva vitória nas urnas. No dia 7 de outubro de 2012 ele foi eleito para o terceiro mandato com 76,87% dos votos válidos e desfilou em carro aberto pela cidade. Os votos foram resultado da confiança do povo de que o “melhor prefeito” da história do município - como ele se apresentava - iria faz fazer e acontecer. Porém, como mesmo tendo mais de R$ 2 bilhões para administrar Sabino não fez nem aconteceu, o povo decidiu colocá-lo para fora e ele sai humilhado. No dia 31 de dezembro, quando estiver deixando o cargo, vai voltar para casa com o título de pior gestor e na cabeça um número vergonhoso: o homem que teve 41.804 votos em 2012 somou agora apenas 7.578.