Na rica Nova Iguaçu Bornier está com problemas para fechar as contas, mas em Japeri, o "patinho feio" da Baixada Fluminense, Ivaldo Barbosa, o Timor vem dando uma de malabarista para não deixar a peteca cair

O município mais pobre da Baixada Fluminense vai fechar o ano sem dever salário

Os servidores do município de Nova Iguaçu estão penando para ver a cor do dinheiro. Algumas categorias já acumulam dois meses de atraso e o décimo-terceiro deverá ficar mesmo para o próximo ano, mesma situação de Belford Roxo e São João de Meriti. Já em Japeri, cidade mais pobre da Baixada Fluminense, a segunda parcela da gratificação natalina foi paga nesta quinta-feira e, segundo informou o prefeito Ivaldo Barbosa dos Santos, o Timor, os salários de novembro e dezembro estão garantidos. 

 O prefeito é Marcos Aurélio, mas quem governa, dizem nos corredores do poder, é o secretário Rui Aguiar

Reajuste constitucional da categoria ficou só na promessa, mas a terceirização de mão de obra está rolando solta na rede municipal de ensino

Falta menos de dois meses para o prefeito Marcos Aurélio Dias deixar o governo e até agora nem sinal do reajuste obrigatório que deveria ser concedido em janeiro deste ano aos professores de Guapimirim, com percentual definido em 7,5%. Para não pagar o direito dos profissionais de ensino, Rui Aguiar, secretário de Educação, alega que o município não tem recursos financeiros para isto e põe o descaso da administração municipal na conta da crise. Porém, três contratos de terceirização de serviços firmados em setembro sugerem que a Prefeitura tem sim dinheiro e só não paga o reajuste porque não quer. Revoltados com a situação, os professores estão reunindo assinaturas para uma representação junto ao Ministério Público, através da qual vão pedir que sejam investigadas as razões da não concessão do aumento garantido pelo artigo 37 da Constituição Federal.

A Prefeitura começou a informatizar a gestão escolar. O treinamento foi iniciado em outubro (Foto:Divulgação/PMG)

A Secretaria de Educação registrou mais de R$ 11 milhões em despesas nos últimos seis meses, mais da metade disto é considerado como "gastos desnecessários" por membros do próprio governo

Embora esteja no poder desde o dia 11 de setembro de 2012, somente agora - a menos de dois meses do fim do mandato - é que o prefeito Marcos Aurélio Dias resolveu informatizar a rede de ensino e optou por fazê-lo através de uma empresa que do caixão ao material de limpeza tem feito vários fornecimentos para a Prefeitura de Guapimirim nos últimos anos. No apagar das luzes a Secretaria de Educação contratou (por R$ 780 mil) a Inffactor Comercio e Serviços para implantar a gestão escolar e já pagou por isto, segundo registros da administração municipal, R$ 335.820,65. Nos últimos seis meses o setor de Educação registrou mais de R$ 11 milhões em despesas questionadas até por alguns membros do governo, mais da metade disto a partir de setembro, inclusive com terceirização de mão de obra, contratos que deverão ser auditados pela próxima gestão, conforme já externou o prefeito eleito Jocelito Pereira de Oliveira. No modo de ver de uns de seus poucos aliados, o atual prefeito, além do título de pior gestor da história do município, vai levar para casa pepinos e abacaxis de todos os tamanhos e gastará alguns anos e muito dinheiro se defendendo em processos judiciais por conta de ações de secretários que confundem a coisa pública com a privada do que por suas próprias iniciativas. 

As visitas acontecem sempre aos sábados e são agendadas para acontecerem de 15 em 15 dias (Foto: Clarice Castro)

Desde a restauração 3,5 mil pessoas já participaram da visita guiada

Construído em 1853, o Palácio Guanabara é um dos edifícios históricos mais importantes do país. A sede do governo do estado do Rio de Janeiro passou por uma ampla restauração e hoje integra o roteiro turístico da capital fluminense, com visitas guiadas que acontecem de 15 em 15 dias, em três horários (9h, 10h e 11h), sempre aos sábados. Desde o fim das obras que foram custeadas pela iniciativa privada, o palácio recebeu mais de 3,5 mil visitantes em seus tours.

Dona do restaurante O Navegador, no Rio, a chef Teresa Corção diz que as práticas ambientalmente adequadas no campo são parte importante das estratégias para exercer sua profissão (Foto: Aline Proença)

Evento começa hoje no Pier Mauá

A gastronomia sustentável tem sido cada vez mais defendida por chefs renomados do país e do exterior. A prática, que nada mais é do que utilização racional de alimentos orgânicos e com baixo impacto socioambiental, busca valorizar o protagonismo dos agricultores familiares na produção de alimentos saudáveis e suas relações afetivas com a terra. Os chefs adeptos dessa gastronomia priorizam os produtos da época cultivados em locais próximos, respeitando a sazonalidade das lavouras, reduzindo gastos e a emissão de gases de efeito estufa com o transporte.