Decisão é provisória e ainda será analisado pela Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça

 

O deputado estadual Francisco Manoel de Carvalho, Chiquinho da Mangueira, teve o pedido de prisão domiciliar atendido pelo  presidente do Superior Tribunal de Justiça (STJ), ministro João Otávio Noronha. O magistrado acatou o argumento da defesa do parlamentar de que ele está doente e não estaria recebendo o tratamento adequado na prisão. Ele foi preso em novembro do ano passado na operação Furna da Onça. Segundo a defesa, Chiquinho perdeu oito quilos nos últimos e corria risco de vida se permanecesse na prisão.

Pedido foi enviado pela PGR ao STF

 

A procuradora-geral da República, Raquel Dodge, pediu ontem  (9) a condenação do ex-ministro e ex-deputado Geddel Vieira Lima a 80 anos de prisão pelos crimes de lavagem de dinheiro e associação criminosa. Ela também pediu a condenação do deputado Lúcio Vieira Lima (foto) a 48 anos e seis meses de prisão, pelos mesmos crimes.  Ele é irmão de Geddel e não conseguiu se reeleger nas últimas eleições.

Colaboração estaria sendo negociada pelo novo advogado do ex-governador

 

O jornalista Lauro Jardim, colunista de O Globo, informou neste domingo que o ex-governador Sergio Cabral – condenado a penas que somam quase 200 anos de reclusão – estaria disposto a colaborar com o Ministério Público Federal e para isto seu novo defensor,  o advogado João Bernardo Kappen, teria recebido procuração para começar as negociações. De acordo com Lauro, "o cardápio inicial inclui o Judiciário (tanto o Tribunal de Justiça do Rio quanto o STJ), ex-chefes do MP fluminense, as jogadas nebulosas da Copa do Mundo e da compra de votos para a Olimpíada de 2016, além de detalhamentos de fatos já narrados em outras colaborações".

Revela o coordenador da operação no estado

 

O coordenador da força tarefa da Operação Lava Jato no Rio de Janeiro, Eduardo El Hage, fez ontem (12) um balanço dos trabalhos iniciados há três anos e que determinaram a prisão de um ex-governador (Sérgio Cabral), um governador (Luiz Fernando Pezão), ex-presidentes da Assembleia Legislativa, conselheiros do Tribunal de Contas do Estado e outras autoridades do estado. "Muita coisa ainda vai ser deflagrada em 2019. Temos várias linhas de investigação em curso. Acredito que o estado do Rio de Janeiro foi infestado por esse fenômeno da corrupção, mas pouco a pouco temos conseguido combater", disse.

Acusado de receber propina de 20% do valor pago a empresas de ônibus pelo reembolso da gratuidade no transporte de estudantes da rede pública, idosos e pessoas portadoras de necessidades especiais, o prefeito de Niterói, Rodrigo Neves (PV), foi preso na manhã desta segunda-feira (10) em casa. Ele foi levado por agentes da Polícia Civil por volta das 8h30 e teve ser atendido por um médico. De acordo com a denúncia formulada pelo Ministério Público, o montante desviado entre 20014 e 2018 soma mais de R$ 10 milhões. Ação de hoje é um desdobramento da Operação Lava Jato no Rio.