Moro determina que a PF não algeme o ex-presidente

O juiz Sergio Moro determinou há pouco a prisão do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva e deu prazo para que ele se entregue à Polícia Federal até as 17h de amanhã (6), para começar a cumprir a pena 12 anos e um mês, imposta no processo sobre o tríplex do Guarujá. Moro recebeu o aval do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (TRF-4) e e uma cela especial já foi preparada para receber o ex-presidente. "Relativamente ao condenado e ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva,  concedo-lhe, em atenção à dignidade cargo que ocupou, a oportunidade de apresentar-se voluntariamente à Polícia Federal em Curitiba até as 17h do dia 06/04/2018, quando deverá ser cumprido o mandado de prisão”, decidiu Moro.

Nélio Machado diz a mesma coisa em relação a Carlos Arthur Nuzman

A se confirmar os rumores de que o deputado Jorge Picciani estaria pretendendo transformar-se em colaborador do Ministério Público para deixar a prisão e proteger os filhos, ele vai ter de arrumar outro advogado. O mesmo se aplica ao ex-presidente do Comitê Olímpico Brasileiro, Carlos Arthur Nuzman, que já está em casa, graças a um habeas corpus concedido pelo Superior Tribunal de Justiça. Quem diz isso é um dos maiores criminalistas do país, o advogado Nelio Machado (foto), que defende os dois. A afirmação foi feita em entrevista ao repórter Luiz Maklouf Carvalho, publicada pelo jornal 'O Estado de São Paulo'. Ao 'Estadão' Nélio foi objetivo: "Se quiserem fazer delação premiada deixarão de ser meus clientes".

Por unanimidade os desembargadores do TRF-2 assim decidiram e defendem intervenção federal no estado se a Assembleia Legislativa voltar a derrubar os mandados

 

"Só pode soltar quem pode prender. Só pode expedir alvará de soltura quem expede mandado de prisão. Portanto, só poderia ser revogada [a prisão] por órgão judiciário". A afirmação é do desembargador  federal Abel Gomes (foto) relator do processo contra os deputados Edson Albertassi, Jorge Picciani e Paulo Melo, que tiveram os decretos de prisão preventiva renovada na tarde de hoje pelo colegiado do TRF-2 e deverão voltar para o presídio de Benfica ainda nesta terça-feira. Eles foram soltos na noite da última sexta-feira, horas depois de o plenário da Assembleia Legislativa desautorizar a prisão que havia sido decidida um dia antes. Os três parlamentares estão sendo investigados por corrupção e lavagem de dinheiro e tiveram as prisões preventivas decretadas dentro da Operação Cadeia Velha, realizada há uma semana pela Polícia Federal.  Na decisão de hoje o desembargador pediu que o processo seja encaminhado ao presidente do Tribunal Regional Federal (TRF) e determinou que caso a Assembleia Legislativa volte a se se opor, "que seja pedida uma intervenção federal no Rio de Janeiro".

Luiz Martins, Marcelo Simão e Renato Cozzolino estão entre as vozes que sairam em defesa dos acusados de corrupção

De uma bancada de 16, 14 foram contra as ordens de prisão

Dos 16 representantes dos municípios da Baixada Fluminense na Assembleia Legislativa 15 votaram pela liberdade dos deputados Edson Albertassi, Jorge Picciani e Paulo Melo, presos desde ontem por decisão unânime dos integrantes do Tribunal Regional Federal da 2ª Região. Os três foram denunciados pelo Ministério Público Federal por organização criminosa e lavagem de dinheiro, acusados de serem os cabeças de um esquema de corrupção sustentando pela caixinha da propina mantida pelas empresas de ônibus.  Os três deixaram a unidade prisional de Benfica no início da noite desta sexta-feira, mas o dia de hoje não foi só de vitória para eles: desembargador federal Abel Gomes determinou o bloqueio cautelar de contas e o arresto de bens de 13 pessoas e 33 empresas investigadas na Operação Cadeia Velha, sendo R$270 milhões em nome dos parlamentares, R$154.460.000,00 de Picciani, R$108.610.000,00 de Paulo Melo e R$7.680,000,00 e, nome de Albertassi.

Jorge Picciani, Edson Albertassi e Paulo Melo são acusados pelo MPF de integrarem um esquema de corrupção

Picciani, Paulo Mello e Albertassi tiveram prisão decretada pelo TRF-2

Em sessão extraordinária que deverá ser marcada para amanhã, os membros da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro deverão deliberar sobre os mandados de prisão preventiva contra o presidente da Casa, Jorge Picciani e os deputados Edson Albertassi e Paulo Melo, todos do PMDB, expedidos na tarde desta quinta-feira, por unanimidade, pelo Tribunal Regional Federal da 2ª Região (TRF-2). A reunião será convocada ainda hoje pela Mesa Diretora, que embora os parlamentares já tenham se apresentado à Polícia Federal, ainda não foi notificada da decisão da Justiça. Cinco desembargadores federais consideram que o dispositivo da Constituição estadual que estabelece que um parlamentar só pode ser preso em casos de flagrante ou crime inafiançável, não pode ser aplicado em favor dos três, já que o esquema de corrupção do qual Picciani, Melo e Albertassi são acusados de integrar, não teria parado de funcionar, o que caracterizaria o flagrante. A tendência, de acordo com uma fonte ligada a Alerj, é de que as ordens de prisão sejam derrubadas em plenário exatamente por conta deste dispositivo, pois a maioria dos parlamentares, inclusive alguns do bloco de oposição, entende que não há flagrante a sustentar os decretos de prisão.