O corpo do jornalista Marcelo Rezende está sendo velado na Assembleia Legislativa de São Paulo e será sepultado às 17h. Marcelo morreu ontem (16), vítima de um câncer diagnosticado inicialmente no pâncreas, que tomou também o fígado de um dos mais importantes profissionais do jornalismo brasileiro. Tendo militado por mais de 40 anos, Rezende produziu centenas de matérias investigativas, nas quais denunciou o jogo sujo de autoridades, políticos e dirigentes esportivos, mas foi um "pastor" quem mais praguejou contra ele. Sim, praguejou, pois praga é o termo certo para definir o sermão de um canalha que ficou rico a custa do esforço financeiro de milhões de brasileiros que se deixam enganar pelas pregações de Valdemiro Santiago, o fundador de uma empresa multinacional da fé, a Igreja Mundial do Poder de Deus. O "apóstolo", como o enganador se apresenta em programas de televisão e em templos de sua seita, ficou irado com uma reportagem de Marcelo, que decidiu mostrar ao país como esse "ungido" ficou rico explorando a fé dos que adoram ser enganados por gente como ele em nome de Deus e resolveu "profetizar" o fim do repórter.

O texto abaixo foi escrito por mim no dia 16 de junho de 2013 e causou muita polêmica. Trago-o de volta hoje por sugestão do momento. A semana que passou foi marcada pela confirmação do direito ao casamento gay nos Estados Unidos e pelo recrudescimento da intolerância religiosa no Brasil. Quando digo que a Bíblia não é a Constituição chamo a atenção para aquele que lê uma coisa, entende outra e sai por ai achando que está seguindo as “leis de Deus” expostas no que chama de “Livro Sagrado” e atentando contra o direito sagrado de todos nós: a liberdade de vivermos da forma que quisermos e fazer o que bem entendermos, desde que nossos procedimentos, comportamento e maneira de pensar não violentem o nosso próximo.

“O casamento entre pessoas do mesmo sexo é pecado”. É com esse pensamento que a bancada evangélica na Câmara dos Deputados trabalha contra a união gay agora legitimada. Esses nobres representantes do povo também conseguiram tirar de circulação uma campanha de prevenção a doenças sexualmente transmissíveis porque a peça publicitária tinha como slogan a frase “Sou feliz sendo prostituta”. Esse bloco atua também contra o uso de imagens religiosas em repartições públicas - ao mesmo tempo em que defende monumentos à Bíblia nas praças que também são públicas -, mas parece não ver nada demais ter no grupo ladrões do dinheiro público. Com isso sugere que casamento gay e uma prostituta declarar-se feliz é pecado diante aos olhos de Deus, mas afanar não.