Recomendação nesse sentido foi encaminhada pelo Ministério Público

Não muito chegado a mostrar as despesas da Casa, o presidente da Câmara de Vereadores de Macaé, Eduardo Cardoso (foto), vai ter que se dobrar à Lei da Transparência se não quiser ter mais problema com a Justiça. Um dos mais caros do Brasil, o Poder Legislativo macaense, custou no ano passado mais de R$ 72 milhões, tendo recebido 12 repasses de R$ 6.053,500,00, mas descobrir onde o dinheiro foi gasto é uma dificuldade danada, pois as contas que deveriam ser públicas são mantidas em segredo, encobertas pela disfuncionalidade conveniente do Portal da Transparência da Casa. Porém isso vai ter que mudar. E rápido, pois a 1ª Promotoria de Justiça de Tutela Coletiva (núcleo local), expediu recomendação a Cardoso para que sejam adotadas medidas para ampliar a transparência das contas da Câmara.

Para o exercício fiscal deste ano aparece no sistema da Prefeitura um empenho global de R$ 90.027.499,90 em favor da Câmara. Desse total já foram transferidas duas parcelas que somam pouco mais de R$ 12 milhões. O maior volume das despesas da Casa é com pagamento de subsídios dos vereadores, salários de servidores e assessores, além de gratificações e diárias por viagens. O problema é saber quem ganha o quê e quanto, pois o acesso a informações sobre pessoal não é franqueado ao cidadão, já que o portal exige login e senha, o que é vedado pela legislação. Para acabar com isso o Ministério Público deu prazo de 15 dias para a presidência da Câmara acabar com essa exigência.

Outra medida que terá de ser adotada é a atualização das informações sobre os motivos das viagens de vereadores, que recebem diárias para isso. No caso dos servidores – diante de várias denúncias da existência de “fantasmas” na Casa e em setores da Prefeituta -, o MP quer que sejam incluídas no portal informações sobre lotação, horário de trabalho de servidores, indenizações, auxílios e benefícios a que têm direito vereadores e funcionários, concursados ou terceirizados.

 

Matérias relacionadas:

Câmara de Macaé se cala sobre prisão de vereador 

Justiça afasta vereador e secretário acusados de ficarem com parte dos salários de assessores nomeados na Prefeitura de Macaé

'Arrocho' do TCE reduz custo do 'Câmara Itinerante' de Macaé

Câmara de Macaé aponta “fantasmas” na Prefeitura, mas não consegue controlar o ponto dos 211 assessores indicados por seus 17 vereadores

Câmara de Macaé custa mais de R$ 6 milhões por mês

Câmara de Macaé se esforça para manter supersálarios

Câmara de Macaé vai à Justiça para manter incorporações

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar