Desde 2014 no noticiário policial pelo envolvimento de alguns de seus membros em casos de apropriação de salários e de dinheiro proveniente de empréstimos bancários feitos por nomeados em cargos de confiança, a Câmara de Vereadores de Petrópolis voltou a ser alvo de operação policial ontem (12), com membros do Ministério Público e agentes da Delegacia Fazendária cumprindo mandados de prisão preventiva contra o presidente da Casa, Paulo Igor da Silva Carelli (foto) e o vereador Luiz Eduardo Francisco da Silva, o Dudu.  Também foram cumpridos mandados de busca e apreensão nas residências do presidente da Câmara e do empresário Wilson da Costa Ritto Filho, o Júnior, e numa de suas empresas.

Os dois vereadores, Junior e outras cinco pessoas – entre funcionários da Câmara e empresários – foram denunciados pelos crimes de fraude em licitação e peculato. Pelo que foi apurado, Paulo, com auxílio dos demais envolvidos, combinou com o empresário uma forma de direcionar a licitação 03/2011, que gerou contrato de R$ 4,49 milhões, firmado entre Câmara Municipal de Petrópolis e a empresa Elfe Soluções em Serviços, para prestação de serviços de limpeza, conservação, higienização, reprografia, vigia, jardinagem, copeiragem, recepção, telefonia, motorista, manutenção predial, operação de áudio e vídeo e o fornecimento de materiais de consumo, pelo período de 12 meses, a contar do dia 1º de janeiro de 2012.

Os agentes não conseguiram encontrar o vereador Luiz Eduardo (PEN), que está sendo considerado foragido pela Justiça. Paulo Igor (MDB)foi substituído na mesa diretora pelo vice-presidente, Roni Medeiros (PTB). Na Casa do presidente a policia encontrou R$ 200 mil e parte desse dinheiro estava separado em maços, com nomes de políticos da cidade.

 

Matérias relacionadas:

Promotoria quer limpar a Câmara de Petrópolis

Pastor vereador liderava esquema criminoso em Petrópolis

MP enquadra mais um vereador de Petrópolis

 

 

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar