Pesquisa mostra que o resultado é pior do que o registrado no início da gestão de Lula e Dilma

 

A avaliação positiva do governo de Jair Bolsonaro está em 39%, conforme pesquisa divulgada ontem (26) pela Confederação Nacional do Transporte (CNT). A avaliação negativa ficou em 19%. Na comparação com as pesquisas feitas em início de governo, quando os governantes costumam ter índices mais altos de aprovação, Bolsonaro tem resultado pior do que o registrado no início do primeiro governo Dilma (49%) e dos dois mandatos de Luiz Inácio Lula da Silva (57% no primeiro e 50% no segundo). A avaliação de início da atual gestão é melhor que de Michel Temer (11%) e o segundo mandato de Dilma (11%).

Vereadora inexperiente perde espaço na Casa e no governo

 

Quem assistiu a sessão da Câmara de Vereadores de Nova Iguaçu nesta terça-feira (26), viu a vereadora Renata Magalhães Turques Araujo, a Renata da Telemensagem (PTC), passar uma vergonha danada. A reunião foi para escolher um novo vice-presidente da Casa e estava definido que só haveria um candidato, com a maioria dos votos já consolidados. Se achando com cacife suficiente para mudar o quadro, quando ela soube que o ex-presidente Maurício Moraes (foto), um parlamentar de cinco mandatos, seria candidato único, lançou-se na disputa e perdeu feio. Teve o voto dela e mais dois, contra 13 em favor de Moraes. Caloura na Câmara, Renata foi eleita em 2016 com os votos dos eleitores de Austin, uma localidade carente do município. Como passou para a oposição perdeu o que tinha no governo e já tem gente assumindo a área dela.

Julgamento de efeito suspensivo deve ser votado logo depois do carnaval

 

A quarta-feira de cinzas poderá ser bastante longa para o prefeito de Búzios, Andre Granado. É que o efeito suspensivo que vem mantendo ele no mandato deve ser julgado logo após o carnaval, devendo, na opinião de um advogado peso pesado do Rio de Janeiro, ser derrubado no Tribunal de Justiça. A aposta é de que o vice-prefeito Carlos Henrique Gomes venha assumir o governo mais cedo do que seus aliados esperam. O que se comenta no meio jurídico é que a situação de Granado é muito complicada e as punições não deverão ficar apenas na área cível. Só em um processo – o que levou o juízo de primeira instância a afastá-lo cautelarmente em 2017 – o prefeito foi denunciado pelo Ministério Público de ter causado danos de mais de R$ 26 milhões ao município.

O Brasil foi representado pelo vice-presidente Hamilton Mourão

 

Em sua declaração final, o Grupo de Lima reiterou hoje (25) a saída do presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, e a realização de novas eleições no país. Os presidentes, vice-presidentes e chanceleres pretendem pedir à Corte Penal Internacional que julgue Maduro pela “grave situação humanitária” que vive o país vizinho. Na reunião, realizada em Bogotá, na Colômbia, os líderes das Américas rejeitaram que a solução para a crise passe pelo uso da força, afastando a possibilidade de uma intervenção internacional na Venezuela. "Os países presentes reiteram sua convicção de que a transição para a democracia deve ser conduzida pelos próprios venezuelanos pacificamente e em respeito à Constituição e ao direito internacional, apoiada pelos meios políticos e diplomáticos, sem o uso da força", diz o documento, no item 16.

Com pendências na Justiça, André Granado, reeleito em Búzios, pode ser "apeado" do cargo por decisão judicial. Em um dos processos o MP aponta dano de R$ 26 milhões aos cofres públicos

 

Embora o Tribunal Superior Eleitoral lhe tenha livrado da cassação em dezembro do ano passado, fazendo por menos em um processo em que ele fora condenado por improbidade administrativa, o prefeito de Búzios, André Granado (foto) não está seguro no cargo. Gente que acompanha com lupa as ações movidas contra ele pelo Ministério Público, dizem que o vice-prefeito Carlos Henrique Gomes pode se preparar para posse, pois Granado, que já foi afastado duas vezes em 2017 – uma pela Câmara de Vereadores e outra pelo juízo de primeira instância –, "está se equilibrando em corda bamba".  Em uma das ações, por exemplo, o prefeito foi denunciado pelo MP por fraudes em processos de licitação que teriam causado prejuízo superior a R$ 26 milhões aos cofres da municipalidade. Nesse processo está sendo pedida a perda da função pública e a suspensão dos direitos políticos dele por oito anos.