Pai do prefeito Diogo, Aluizio Balieiro, estaria por trás dos "galanteios" ao principal rival

 

O ex-prefeito e ex-deputado de Resende, Noel de Carvalho, ainda não se pronunciou sobre a suposta "corte" do prefeito Diogo Balieiro Diniz, para que desista de disputar a sucessão municipal em 2020 em troca da vaga de vice do atual comandante do Executivo local, revelada ontem (6) pelo elizeupires.com. O único membro da família a se manifestar foi o ex-prefeito Silvio de Carvalho, mas pelo que ele postou nas redes sociais, parece que o filho não herdou a perspicácia do pai, pois o comentário divulgado sugere que ele leu e não entendeu nada na matéria Resende: Balieiro estaria "piscando os olhos" para Noela qual se propunha a comentar.

Preso em novembro de 2018 sob a acusação de comandar um suposto esquema de corrupção, com fraude em processos licitatórios no município de Silva Jardim, o qual governou entre janeiro de 2013 a março do ano passado, o ex-prefeito Wanderson Gimenes Alexandre, o Anderson Alexandre (foto), só poderá voltar a ser preso agora no âmbito dos processos aos quais responde a de eventuais novas ações judiciais, se a Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro autorizar. Ele está investido do mandato de deputado desde ontem (6), quando foi empossado. O político foi beneficiado por uma decisão do Tribunal de Justiça, e não há, legalmente falando, nada que pudesse impedir sua posse.

"Corte" para possível casamento em 2020 teria aval do pai do atual prefeito

 

O caldeirão político em Resende pode transbordar antes mesmo da chegada de 2020, ano das próximas eleições municipais. É que um dos principais pré-candidatos da oposição, o ex-prefeito e ex-deputado Noel de Carvalho estaria sendo "cortejado” para uma união com o atual prefeito, que estaria disposto a usar seu "charme" para tentar convencer Carvalho a desistir de disputar a sucessão municipal em 2020. Visto como "bola da vez" na cidade, Noel é apontado como "adversário forte", daí, revela uma fonte ligada ao ambiente político local, o interesse em um "casamento" para que o ex-prefeito pudesse compor como vice numa eventual chapa com o atual prefeito, Diogo Balieiro.

Por unanimidade, os desembargadores que integram a 1ª Seção Criminal do Tribunal de Justiça do Estado do Rio de Janeiro determinaram o afastamento do vereador Robson de Oliveira Matos, mais conhecido em Santo Antonio de Pádua como Robinho Águia Negra. Em abril ele teve os bens bloqueados para garantir o ressarcimento dos cofres públicos em caso de condenação, decisão foi tomada pelo juízo da 1ª Vara local. O vereador deverá deixar o mandato assim que a Câmara for comunicada oficialmente da decisão do TJ.

Glauco, Janio Mendes, Geraldo Pudim e Zaqueu Teixeira tem cargos na Alerj. Juntos receberam em abril cerca de R$ 80 mil

Tem ex-parlamentar ganhando mais que os eleitos em 2018

 

Filho do ex-prefeito de Macaé, Silvio Lopes, o ex-deputado Glauco Lopes não vence uma eleição desde 2006, mas, pelo menos na folha de pagamento ele continua na Assembleia Legislativa, e ganhando quase a mesma coisa que um eleito no ano passado. O subsídio líquido de um deputado hoje é de pouco mais de R$ 18 mil. Com cargo efetivo de especialista legislativo – com carga de 40 horas semanais –, Glauco tem de dividir o tempo com três empresas, das quais aparece como sócio administrador. Em abril ele recebeu R$ 17.835,93 líquidos, "pouco", considerando o que ganhou no mesmo mês Geraldo Roberto Siqueira de Souza, um ex-parlamentar de Campos, cidade vizinha à Macaé. Geraldo Pudim, como ele é mais conhecido, tem salário líquido de R$ 24.865,96 e a função de secretário geral da mesa diretora, para a qual foi nomeado pelo presidente da Casa, André Ceciliano, que também foi muito generoso dando emprego a outros políticos atém então desempregados.