Robson foi nomeado no dia 2 de janeiro de 2017 em Nova Iguaçu e oito dias depois no gabinete do deputado Zaqueu Teixeira

Morador de Queimados tinha dois cargos de assessor simultâneos, um na Prefeitura de Nova Iguaçu e outro na Assembleia Legislativa, onde foi lotado no gabinete do deputado Zaqueu Teixeira

Através da Portaria 229/2017 um cidadão de Queimados foi nomeado para o cargo de assessor de iluminação da Secretaria de Infraestrutura de Nova Iguaçu, função pela qual foi pago a ele o vencimento bruto de R$ 2.545,90 em outubro deste ano, nada demais, muito pelo contrário, se ele comparecer ao trabalho todos os dias. Mas há que se perguntar como fazia para estar em dois empregos ao mesmo tempo entre janeiro e agosto do ano passado, período em que esteve nomeado como assessor parlamentar no gabinete do deputado estadual Zaqueu Teixeira. O cidadão chama-se Robson Ferreira de Souza, que nas redes sociais se apresenta como Robson da Alana Passos, uma referência a Alana Passos, recém-eleita deputada estadual pelo PSL com 106 mil votos. Nesta terça-feira (13), às 10h30, a informação na secretaria era de que ele ainda não havia chegado para trabalhar...

Suplente de deputado disse o quis e ouviu o que não esperava

 

Um vídeo que começou a circular hoje (12) nas redes sociais pode ter consumado o racha entre o prefeito de Magé, Rafael Santos de Souza, Rafael Tubarão e o suplente de deputado federal José Augusto Nalin, que ficou pouco mais de um ano em Brasília. A gravação, feita em um encontro na Câmara de Vereadores, Nalin lamenta o fato de não ter sido eleito, mesmo tendo conseguido R$ 10 milhões em emendas para a saúde do município. Foi justamente na fala sobre o recurso que a coisa esquentou. José Augusto sugeriu que não ficou sabendo do destino dado ao dinheiro e o troco veio em seguida. Ao responder Tubarão afirmou que a fala mostrou o "despreparo" de Nalin, que, segundo ele,  "não acompanhou para onde foram os recursos e não deve nem saber a onde eles vieram".

E o segundo suplente do senador Flávio Bolsonaro pode vir a ser o escolho

 

As eleições municipais só vão acontecer daqui a dois anos, mas algumas peças já começam a ser mexidas no tabuleiro da política na Baixada Fluminense. Embalado pela carreta de votos que os Bolsonaro (pai e filho) tiveram na região, o ex-nanico Partido Social Liberal (PSL), deverá lançar candidaturas próprias a prefeito em alguns municípios e em Mesquita – cidade governada pelo tucano Jorge Miranda – um nome novo na política tem sido ventilado para entrar na disputa pela chefia do Poder Executivo em 2020, o empresário Leonardo Rodrigues, segundo suplente do senador recém-eleito Flávio Bolsonaro. Quem também poderá se lançar é o petista Artur Messias, que governou o município por dois mandatos consecutivos.

Os dois tiveram candidaturas a deputado impugnadas

 

Barrados no pleito deste ano pelo Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro, que impugnou seus registros de candidaturas a deputado, os ex-prefeitos de São João de Meriti e Duque de Caxias, Sandro Matos Pereira e José Camilo dos Santos, o Zito, concorreram sub judice, não tiveram votação suficiente para se elegerem e seus votos não foram computados. Mesmo assim eles apresentaram recursos no Tribunal Superior Eleitoral e seus pedidos foram negados. O processo de Sandro foi relatado pelo ministro Jorge Mussi e o de Zito pelo ministro Edson Fachin.

No total 63,52% dos votos para deputado federal foram para candidatos de fora e apenas e 43,66% dos eleitores optaram por políticos da cidade na hora de escolher parlamentares estaduais

 

Dos 46 candidatos a deputado federal declarados eleitos todos foram votados em Magé, embora a grande maioria deles nem conheça a cidade. Eles somaram 37,94% dos 63,46% da votação conferida a nomes de fora que concorreram à Câmara dos Deputados este ano. Os números, que praticamente se repetiram na eleição para deputado estadual, mostram que os mageenses continuam preterindo os nomes locais, o que só prejudica o município, que mais uma vez vai ficar sem representação em Brasília, embora tivessem sido lançados quatro candidatos, José Augusto Nalin (12,85%), André Lopes do Nascimento (9,62%), Ricardo Correa de Barros (9.01%) e Marcelle Cozzolino de Oliveira (5,06%).