Falta de transparência vira caso de polícia em Mesquita
Macaé esconde contrato emergencial de R$ 34,9 milhões
Resende municipaliza UPA, mas não fiscaliza frequência ao trabalho
Berço da história de Belford Roxo vai ser revitalizado
Arrecadação de Macaé dispara e a falta de material também

Concorrentes teriam encontrado dificuldades para conseguir o edital e ficado de fora do processo

Vencido pela empresa Markleo Comércio e Serviços – sediada em Nilópolis, na Baixada Fluminense –, o Pregão 001/2017 deverá ser algo de investigação. Representação nesse sentido será encaminhada ao Ministério Público nos próximos dias, a exemplo do que ocorreu com a licitação (Pregão 002/2017), aberto pela Prefeitura para realização de eventos de verão. Dessa vez o questionamento é sobre o processo licitatório para compra de merenda escolar, que foi homologado no dia 6 de fevereiro, no valor de R$ 4.157.742,50. De acordo com representantes de empresas que ficaram de fora do certame, a Prefeitura teria dificultado a retirada do edital, o que os impediu de participar do pregão. O setor de licitações da administração municipal de Saquarema é comandado por Valéria Santana Herdy, citada em processos que tramitam na Vara Única da cidade, ações movidas pelo MP por suposto crime em licitações que teria ocorrido durante a gestão do prefeito Augusto Tinoco.

Usuários dizem que médicos chegam e saem a hora que bem entendem, não respeitando horário

Embora o município tenha na folha de pagamento profissionais ganhando até R$ 36 mil de salário, está faltando médicos na rede de saúde de Resende, cidade do Sul Fluminense. Quem diz isso são moradores do bairro Cidade Alegria que na noite do último sábado (17) deram por falta de clínicos gerais na Unidade de Pronto Atendimento, uma UPA construída pelo governo estadual e passada ao controle da Prefeitura. Revoltados, usuários do sistema municipal de saúde usaram as redes sociais para denunciar que três médicos que seriam primos do prefeito Diogo Balieiro, não teriam sido encontrados na unidade por quem buscou atendimento entre 18 e 19 horas e os profissionais que deveriam rendê-los também não teriam sido vistos até às 20 horas. “Das 18 às 20 horas só tinha pediatras trabalhando”, diz uma moradora.

Exigia que assessores fizessem empréstimos na Caixa Econômica Federal e, segundo o Ministério Público, ficava com o valor liberado e parte dos salários dos nomeados

Apontado como cabeça de um esquema criminoso que teria rendido a ele mais de R$ 600 mil, um vereador de Petrópolis, município da Região Serrana, vai responder pelos crimes de concussão (exigir vantagem em razão da função que exerce) e peculato (desvio de dinheiro público).  Sebastião da Silva, o Pastor Sebastião (foto) foi denunciado à Justiça pela Subprocuradoria-Geral de Justiça de Assuntos Criminais e de Direitos Humanos, junto com outros dois pastores, uma advogada e dois colaboradores. Reeleito para um segundo mandato pelo PSC, o líder religioso chegou a ser afastado da Câmara Municipal no mês passado e em novembro de 2016 um filho dele - André Filipe Assis da Silva - foi indiciado por tráfico de drogas, depois que a Polícia Civil encontrou cerca de três quilos de cocaína em sua residência.

Amanhã (20) vão ser abertos os envelopes com as propostas das empresas que conseguiram vencer as barreiras e tiveram acesso ao edital da Concorrência Pública 03/2017, através da qual vai ser escolhida a firma que ficará responsável pela coleta e o transporte do lixo. De acordo com alguns representantes de empresas, eles estavam encontrando dificuldades para obter uma cópia do edital, ouvindo sempre a mesma resposta: “o sistema está fora do ar”. As queixas foram relatadas na matéria “Queimados vai licitar coleta de lixo no dia 20 deste mês, mas interessados reclamam de dificuldades em conseguir edital”, veiculada no dia 13 de junho, mas de lá para cá a situação só piorou, problema que o prefeito Carlos Vilela (foto) – que conhece bem o sistema, por ter sido secretário de Fazenda na gestão do prefeito Max Lemos – vai ter que resolver.

Restauração da Fazenda do Brejo vai ser discutida em audiência pública

Propriedade de marquês, conde e comendador, a Fazenda do Brejo – localizada em parte das terras onde está a Universidade Abeu – é o berço da história de Belford Roxo, que começou a se desenvolver graças ao engenho de açúcar que nela funcionava. Hoje, o que resta da propriedade é um acervo arquitetônico que há anos está para ser restaurado, mas a ideia nunca chegou a ser colocada no papel. Agora, 202 anos depois da construção da sede da fazenda, a Prefeitura quer debater com a sociedade um projeto de revitalização que visa transformar o que dela resta em um centro cultural, um espaço para exposições permanentes, onde o passado e o presente possam se encontrar, “um aglomerado de bem estar, saúde, meio ambiente, lazer, cultura, história e turismo”, como define Flávio Gonçalves, secretário de Meio Ambiente.