IBGE reforça relação entre saúde e saneamento básico
Firma novata estréia faturando alto em Nova Iguaçu
Novo presidente terá de garantir mais vagas no ensino superior
Câmara não se esforça para abrir a caixa-preta do governo em Paraíba do Sul: fica nos requerimentos solenemente ignorados pelo prefeito
Sem renovação: 75% dos deputados federais devem se reeleger

Os contratos foram assinados ontem pelos contemplados pelo programa habitacional

 

As 700 famílias contempladas para morarem nos apartamentos do Condomínio Jardim Babi, em Belford Roxo, assinaram os contratos dos imóveis. A entrega das unidades está prevista para a próxima sexta-feira (21). Em apenas um ano e oito meses a Prefeitura beneficiou cerca de três mil famílias com a construção de casas populares no município, através do Programa Minha Casa Minha Vida. A assinatura do contrato é uma parceria com o Banco do Brasil. As famílias foram distribuídas em salas por ordem alfabética e cada um que chegasse para assinar recebia um kit contendo o contrato, um chaveiro, um manual de instruções e um folheto do banco. Dentro de cada sala havia agentes do banco e da prefeitura para auxiliar e explicar tópicos do contrato. 

Preocupa a todo cidadão de bom senso a declaração do candidato do PSL de que é concreta a possibilidade de uma fraude eleitoral em favor do candidato do PT. É de uma gravidade tamanha. Não porque a votação eletrônica possa ser manipulada, mas por sugerir que Jair Bolsonaro e seus iguais não irão aceitar resultado que não seja a vitória. Quando alguém que se propõe a governar o país faz tal ameaça, ainda que velada, nos leva pensar que Bolsonaro, Mourão e Cia. querem é ganhar no grito. Isso é muito sério. É seríssimo. Quem pensa assim está é pregando o poder absoluto, a marcha dos coturnos sobre as cabeças dos defensores da liberdade e revelando o medo terrível que a democracia lhe causa.

Liminar determinando chamada de concursados saiu na semana passada

 

Ainda devendo a professores ativos e inativos, a Prefeitura de Duque de Caxias deverá recorrer contra decisão liminar concedida ao Ministério Púbico pelo juiz Adriano Loureiro Binato de Castro, da 5ª Vara Cível, determinando a convocação, em 30 dias, de professores aprovados no concurso do magistério realizado em 2015. A alegação será a de que não há recursos para aumentar os gastos com pessoal. O prefeito Washington Reis está às voltas com a insatisfação do pessoal da rede municipal de ensino desde que assumiu o governo, em janeiro do ano passado e já até bateu boca em público com contratados que reclamavam do atraso de salários. Essa foi a terceira decisão judicial em favor dos concursados este ano, mas apenas uma foi acatada, mesmo assim parcialmente.

Decisão liminar saiu na noite deste domingo

 

O ministro Og Fernandes, do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), concedeu liminar suspendendo a decisão do Tribunal Regional Eleitoral do Rio de Janeiro (TRE-RJ) que indeferiu o registro de candidatura de Anthony Garotinho (PRP), que concorre ao governo do Estado. A decisão, válida até que o mérito seja julgado, garante que o nome de Garotinho esteja nas urnas e que seus votos sejam considerados válidos. 

Segundo ele, os fiscais do TRE estão atuando em missas e cultos sem os coletes de identificação, com objetivo de juntar provas, que incluem fotos e filmagens  

 

O poder de persuasão dos líderes religiosos sobre os fiéis nestas eleições está preocupando a Justiça Eleitoral do Rio de Janeiro. Uma força-tarefa de fiscais tem percorrido templos de todas as religiões, para fiscalizar, flagrar, coibir e multar o que já é chamado de abuso do poder religioso. O objetivo, segundo o procurador regional eleitoral, Sidney Madruga (foto), é evitar desequilíbrio na disputa, garantindo isonomia a todos os candidatos. "Dentro das prioridades, nestas eleições, está o combate ao abuso do poder religioso. Há um monitoramento para saber se o líder religioso está pedindo votos ou distribuindo kits para determinado candidato. Esta situação já foi caracterizada pelo TSE como abuso de poder econômico, já que não existe a figura do abuso de poder religioso. O uso indevido e irregular, da igreja ou do templo, não deixa de ter um reflexo econômico", destacou Madruga, conhecido no estado pelo rigor na denúncia de crimes eleitorais.