Guapimirim virou “eldorado” para empresas recém-criadas
Empresa alvo da Lava-Jato faturou milhões em Itaguaí
Prefeito de Magé quer o MP investigando denúncias de Núbia
Guapimirim tem 115 dias de contas no escuro
Câmara de Nova Iguaçu recebeu repasse duplo em janeiro

Delator diz uma coisa e sua empresa prova outra sobre o apartamento do Guarujá

Hoje tecer qualquer critica ao juiz Sergio Moro ou aos procuradores da Lava-Jato, para a maioria dos brasileiros, é estar defendendo bandidos e se colocando contra a operação que tem tudo para moralizar o país, mas quem pensa com a razão e não com o fígado de militante sabe muito que não é bem assim. Trata-se de uma operação necessária, que tem de ser concluída na forma que a sociedade espera para resultar em justiça de verdade. Quem viu o vídeo no qual o delator Léo Pinheiro (foto), sócio da OAS, cita os crimes que teriam sido cometidos pelo ex-presidente Lula, repito, se o analisar sem paixões, perceberá que pelo menos no caso do tríplex do Guarujá o líder maior do PT estaria absolvido hoje. É simples assim: Pinheiro disse que Lula sempre foi dono do tal apartamento, mas a empresa do delator prova exatamente o contrário. A OAS listou o imóvel em processo de recuperação judicial em 2015, inserindo o tríplex entre suas garantias e reiterou isso há três meses, confirmando ser o apartamento uma propriedade da empresa. É daí que acho que Moro pode até condenar o ex-presidente por isso, mas duvido e faço pouco que uma instância superior sustente tal condenação nessas condições. 

Não há dados sobre que é feito com os recursos e os repasses dos primeiros três meses deste ano quase dobram em comparação ao último trimestre de 2016

Ninguém no município sabe dizer para que serve exatamente a Companhia de Desenvolvimento de Nova Iguaçu (Codeni) e tão difícil como ver alguma utilidade no órgão é saber onde e em que a autarquia municipal gasta os recursos repassados todos os meses pela Prefeitura. Em março, por exemplo, foram creditados na conta da Codeni R$ 2.650.632,24, quase que o total recebido por ela durante todo o último trimestre de 2016, quando a soma de repasses chegou a R$ 2.863.956,65. O total transferido à companhia nos três primeiros meses da gestão do prefeito Rogério Lisboa (foto) passa de R$ 6,6 milhões e o aumento elevado no volume de recursos para a autarquia coincide com a devolução de R$ 2 milhões feita pela Câmara de Vereadores naquele mês, dinheiro que teria sido ser usado em parte para pagar algumas empresas. O problema é saber quem recebeu o que e como se deu a escolha dos que receberiam as faturas atrasadas...

Ainda faltam mais três membros da família Dames: o secretário de Saúde, o Controlador Geral e a subsecretária de Turismo e Eventos

Um dia após o afastamento de Érica Esteves Dames Passos (foto) da secretaria de Governo, a Justiça determinou o afastamento de mais um parente do prefeito Paulo Dames. O alvo desta vez é o secretário de Fazenda Rodrigo Coelho Ramos, genro do prefeito, que ainda tem três sobrinhos em cargos importantes na administração municipal: Ibson Dames Júnior (secretário de Saúde), Lucas Dames (Corregedor Geral) e Luciana de Oliveira Dames Freitas (subsecretária de Turismo e Eventos). O afastamento de Rodrigo foi decidido pelo juiz Rafael Azevedo Ribeiro Alves, da Vara Única de Casimiro de Abreu, o mesmo que determinou a saída de Érica.

E mudar o quadro político na pequena cidade do interior fluminense

A disputa pela Prefeitura de Silva Jardim, pequeno município do interior do estado do Rio de Janeiro pode não ter encerrado para pelo menos seis candidatos declarados eleitos (quatro deles reeleitos) no dia 2 de outubro do ano passado. Pelo menos é disso que trata uma Ação de Impugnação de Mandato Eletivo, que tramita na 63ª Zona Eleitoral, onde também foi proposta uma Ação de Investigação Judicial Eleitoral contra o mesmo grupo, buscando a inelegibilidade dos seis. A primeira ação é de efeito imediato e se o juízo decidir pela impugnação os condenados serão tirados dos cargos assim que citados. Podem recorrer a instancia superior, mas terão de fazer isso fora dos mandatos. Os dois processos correm em segredo de Justiça. Dos denunciados dois estão no primeiro mandato, três no segundo e um cumpre o terceiro.

Cidade com a menor receita da Baixada Fluminense leva tudo na ponta do lápis

Quando, no dia 1º de janeiro única mulher eleita prefeita na Baixada Fluminense no pleito de 2016 assumiu a Prefeitura de Paracambi, Lucimar Cristina da Silva Ferreira (foto) estava preparada para encarar um grande desafio pela frente, mas não imaginava que a situação estivesse tão ruim e que as dívidas que iria ter de administrar fossem tão altas. Hoje, 111 dias desde a sua posse, a prefeita tem plena noção da “furada” em que se meteu, mas já comemora alguns resultados e o faz como quem tem que levar as contas na ponta do lápis para que o pouco que entra nos cofres da municipalidade não fique ainda menor. Com cerca de 52 mil habitantes, Paracambi tem a menor receita da região e está arrecadando atualmente bem menos que no ano passado. Os repasses intergovernamentais, por exemplo, somaram R$ 13.849.690,32 nos primeiros três meses da gestão de Lucimar, quando a expectativa era de pelo menos R$ 18 milhões. Se a receita é pequena, o rombo nas contas é enorme: dívidas no total de cerca de R$ 100 milhões.